Presidente do Solidariedade se apresenta à PF e demonstrará "total inocência", diz defesa

Política
Tipografia
  • Pequenina Pequena Media Grande Gigante
  • Padrão Helvetica Segoe Georgia Times
A defesa do presidente do Solidariedade, Eurípedes Júnior, divulgou uma nota em que diz que o dirigente se apresentou à Polícia Federal do Distrito Federal neste sábado (15) "para permitir o cumprimento do mandado de prisão preventiva expedido em seu desfavor".

No texto, os advogados José Eduardo Martins Cardozo e Fabio Tofic Simanthob dizem que Eurípedes "demonstrará perante a Justiça não só a insubsistência dos motivos que propiciaram a sua prisão preventiva, mas ainda a sua total inocência em face dos fatos que estão sendo apurados nos autos do inquérito policial em que foi determinada a sua prisão preventiva".

O presidente do Solidariedade é alvo de uma operação da Polícia Federal que investiga uma suposta quadrilha que teria desviado recursos do fundo partidário e eleitoral do Solidariedade nas eleições de 2022. Até então, Eurípedes ainda não havia sido localizado. Segundo a emissora CNN Brasil, o dirigente já está na cela.

"Paulinho da Força"O deputado federal Paulo Pereira da Silva (Solidariedade-SP), conhecido como "Paulinho da Força", assumiu a presidência do seu partido neste sábado, 15, após a prisão do dirigente Eurípedes Júnior, no Distrito Federal.

Em nota, a direção nacional do Solidariedade informou que Eurípedes solicitou licença por prazo indeterminado do cargo. Paulinho da Força já ocupava a vice-presidência da sigla.

A legenda acrescenta que a solicitação "é compatível com o estatuto partidário" e que a sua secretaria-geral "tomará todas as providências necessárias e cabíveis para o seu imediato atendimento, tendo em vista a regular continuidade do exercício da direção partidária".

Em outra categoria

O deputado democrata Jim Clyburn declarou apoio à vice-presidente dos Estados Unidos, Kamala Harris, como candidata à presidência pelo partido. Clyburn tem credito por ter sido decisivo durante as primárias de 2020, quando endossou a candidatura de Biden e o ajudou a vencer na Carolina do Sul, depois de uma sequência de derrotas.

Em comunicado neste domingo, 21, após Biden desistir da reeleição, Clyburn exaltou o presidente e a agenda econômica dos últimos quatro anos. "Eu ecoo o bom julgamento que Biden demonstrou ao selecionar a vice-presidente Harris para liderar esta nação junto com ele, e estou orgulhoso em segui-lo ao apoiar a candidatura de Harris para sucedê-lo como indicado do Partido Democrata", escreveu.

O governador da Califórnia, Gavin Newsom, usou a rede social X (antigo Twitter) para declarar apoio à candidatura da vice-presidente dos Estados Unidos Kamala Harris após o atual presidente, Joe Biden, desistir nesse domingo, 21, de tentar a reeleição pelo Partido Democrata.

O nome de Newsom estava sendo ventilado como um possível candidato à corrida pela Casa Branca, mas com Biden fora da jogada e seu apoio declarado a Harris, os rumores perderam força.

"Com a nossa democracia e o nosso futuro em jogo, ninguém é melhor para enfrentar a visão sombria de Donald Trump e guiar o nosso país numa direção mais saudável do que a vice-presidente dos EUA, @KamalaHarris", escreveu Newsom em seu perfil. O governador também chamou Harris de "destemida", "durona" e "persistente".

Candidato independente à presidência dos Estados Unidos, Robert Kennedy Jr. exortou o Partido Democrata a adotar um sistema "neutro" e "aberto" para escolher o sucessor do presidente americano, Joe Biden, que desistiu de buscar a reeleição neste domingo, dia 21.

Em publicação no X (antigo Twitter), Kennedy Jr. elogiou Biden pela decisão, mas acusou os democratas de tentarem esconder o real estado de saúde do presidente. Segundo ele, os americanos agora temem que o partido manipule o processo para nomear a "imensamente impopular" vice-presidente Kamala Harris à cabeça da chapa. "Apelo ao Partido Democrata para que retome seu compromisso tradicional com a democracia e exemplifique-o com um processo aberto", escreveu.

Mais cedo, o presidente do Comitê Nacional Democrata, Jamie Harrison, já havia informado que a legenda usará um procedimento "transparente e ordenado" para escolher um novo candidato à disputa com o republicano Donald Trump.