VOCÊ VIU?

Grade Lista

O ministro Flávio Dino, do Supremo Tribunal Federal, votou para que procuradores não tenham que devolver valores recebidos por 18 anos, a título de um penduricalho histórico do Ministério Público que a Corte máxima declarou inconstitucional em novembro do ano passado - os chamados 'quinto', 'décimo' e 'opção' pagos a integrantes do órgão.

 

O ministro também defende que, no caso de procuradores que recebem o benefício por ordem de decisão judicial definitiva, o pagamento do penduricalho seja mantido.

 

O voto foi apresentado após a Procuradoria-Geral da República pedir a modulação dos efeitos do julgamento que, em novembro, declarou inconstitucional a manutenção do pagamento de 'vantagens pessoais' a integrantes que exerceram cargos de direção, chefia ou assessoramento mesmo após eles deixarem tais funções.

 

O STF começou a analisar tal pedido nesta sexta, 12, em sessão virtual que tem previsão para terminar no dia 19.

 

Os procuradores se preocupavam com a possibilidade de devolução dos valores desde julho de 2023, quando o STF formou maioria para derrubar o benefício. Na ocasião, a Corte invalidou lição do Conselho Nacional do Ministério Público, o Conselhão, editada em julho de 2006.

 

Tal norma permitiu que os integrantes mais antigos do MP recebessem, além dos subsídios, valores referentes a funções de chefia que exerceram em alguma etapa da carreira. Atualmente só é permitido que eles recebam o adicional enquanto ocupam cargos de direção, chefia ou assessoramento. Antes, esse valor extra era incorporado ao contracheque.

 

Dino propõe que o Supremo acate o pedido da PGR, para que a decisão da Corte máxima só tenha impacto em pagamentos posteriores ao julgamento.

 

Na avaliação do relator, modular a decisão sobre o tema é uma 'exigência decorrente do princípio da proporcionalidade', porque a 'preservação de alguns efeitos da norma é menos danosa que o seu desfazimento, consistente na abrupta supressão de benefícios recebidos de boa-fé pelos membros do Ministério Público e no dever de devolução imediata dos valores percebidos'.

 

O ministro apontou ainda que as verbas recebidas de 'boa fé' pelos procuradores tem caráter alimentar, o que obsta a devolução de valores.

 

O ministro também defendeu que os penduricalhos sejam mantidos no caso de procuradores que obtiveram os mesmos via judicial, com decisão definitiva - já transitada em julgado. Tal possibilidade já havia sido sugerida pelo ministro Alexandre de Moraes no julgamento de mérito do caso, em novembro.

 

Assim, Dino propõe que a derrubada do penduricalho só valha para os integrantes do MP que o obtiveram por decisão administrativa, sendo que eles não terão de devolver os valores recebidos até novembro do ano passado, quando o Supremo decidiu declarar o benefício inconstitucional.

 

Uma eventual decisão do STF no sentido do proposto por Dino pode esgotar um debate sobre o tema no Tribunal de Contas da União. A Corte aguardava a decisão do Supremo para retomar a discussão que poderia resultar em ordem para que procuradores e promotores devolvam valores aos cofres públicos.

O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) confirmou a decisão de primeira instância que absolveu o procurador de Justiça aposentado Airton Grazzioli, do Ministério Público do Estado, em uma ação por lavagem de dinheiro.

 

Grazzioli foi acusado de receber propinas para favorecer a contratação de uma empresa de contabilidade na fiscalização de fundações de direito privado e de entidades de interesse social.

 

Em 2019, o Grupo de Atuação Especial e Repressão ao Crime Organizado (Gaeco) fez buscas na casa do procurador e apreendeu R$ 634 mil em dinheiro vivo, incluindo dólares, euros e libras esterlinas. Ele pediu a aposentadoria quando soube da investigação.

 

Os desembargadores da 16ª Câmara de Direito Criminal concluíram que não há provas de que o dinheiro encontrado seja fruto de corrupção. A defesa alega que se trata do pagamento pela venda de um imóvel.

 

"Não restou amplamente demonstrada a correspondência entre as moedas estrangeiras apreendidas no escritório do recorrido e os aludidos atos de corrupção, notadamente em razão da diferença significativa do montante de vantagem indevida apurada na referida ação penal paralela (cerca de R$ 100.000,00) em relação aos valores investigados nestes autos (R$ 634.036,75)", votou o desembargador Guilherme de Souza Nucci, relator.

 

O caso chegou ao Tribunal de Justiça a partir de um recurso do Ministério Público de São Paulo. Na segunda instância, coube à Procuradoria-Geral da Justiça emitir parecer. A chefia do MP endossou o pedido da defesa e foi a favor da absolvição.

 

Investigação

 

Airton Grazzioli era o 6º Promotor de Justiça Cível da Capital e atuou na Promotoria de Fundações, entre 2004 e 2019. Sua função era fiscalizar gastos de fundações que mantém universidades, faculdades e escolas, institutos de pesquisa, jornais e estações de rádio e TV. Pouco antes da aposentadoria, foi promovido a procurador pelo critério da antiguidade.

 

Segundo o Ministério Público, o então promotor teria favorecido o contador Gelson de Stéfano, sócio da empresa Diretriz Consultores Contabilidade Aplicada, que atuava na área contábil e com perícias judiciais, nas fiscalizações da Promotoria de Fundações. Ele direcionaria as auditorias em troca de uma porcentagem do contrato, de acordo com a denúncia.

 

A investigação identificou um cartão de crédito com gastos autorizados de até R$ 50 mil que teria sido entregue pelo contador a Grazzioli. Com ele, o procurador viajou com as duas filhas para Orlando e para Nova York, nos Estados Unidos, onde fez compras avaliadas em R$ 30 mil. O Gaeco demonstrou que na época da viagem o titular do cartão - o contador - estava no Brasil. Em uma segunda viagem a Nova York, Grazzioli teria usado o cartão do contador para compras nas lojas Sacks Fifth Avenue e Armani Exchange.

 

Em 2011, Grazzioli recebeu o título de Cidadão Paulistano concedido pela Câmara Municipal pelo "notório saber jurídico e inestimável contribuição para a Justiça de São Paulo".

O embate entre o bilionário sul-africano Elon Musk e o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes que começou no último sábado, 6, virou inspiração para criação de uma moeda virtual: o memecoin "ElonxAlexandre". A moeda, criada por internautas no último domingo, 7, valorizou 9.550% em três dias de lançamento.

 

O embate entre o bilionário sul-africano Elon Musk e o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes que começou no último sábado, 6, virou inspiração para criação de uma moeda virtual: o memecoin "ElonxAlexandre". A moeda, criada por internautas no último domingo, 7, valorizou 9.550% em três dias de lançamento.

 

Musk, que é dono do X (antigo Twitter), usou a sua rede social para acusar Moraes de promover "censura", e defendeu que ele renunciasse ao cargo na Corte ou fosse alvo de um processo de impeachment.

 

Quando foi lançada, a memecoin custava US$ 0,0002, atingindo o valor de US$ 0,0193 (R$ 0,098) na noite desta quinta-feira, 11. As informações são do site Coinmarketcap, especializado no mercado de criptomoedas.

 

As memecoins são criptomoedas criadas para satirizar memes e tendências na internet. As moedas, que podem receber investimentos de internautas, já foram feitas para ironizar personagens de ficção, celebridades, eventos virais e políticos como o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e o seu antecessor Donald Trump.

 

A primeira memecoin criada foi a Dogecoin, lançada em 2013 a partir do meme "Doge" - que usa a imagem de um cachorro da raça Shiba Inu com expressão de desconfiado. Atualmente, ela custa R$ 1, mas já chegou a valer R$ 3,23 em maio de 2021. No mês passado, durante um evento da Tesla, montadora de carros de Musk, o bilionário disse que aceitaria a criptomoeda como forma de pagamento dos seus produtos.

 

No sábado, Musk utilizou a sua rede social para acusar Moraes de infringir a Constituição brasileira e promover a censura em decisões judiciais. Além do X e da Tesla, Musk é dono da startup de foguetes SpaceX, que pretende levar astronautas para a Lua em parceria com a Nasa.

 

No domingo, Musk disse que Moraes deveria renunciar à sua cadeira na Corte ou sofrer um impeachment. Em resposta, o ministro incluiu o empresário como investigado no inquérito das milícias digitais por "dolosa instrumentalização" do X. Na segunda, 8, o empresário novamente atacou o ministro, chamando-o de "ditador" e afirmando que ele teria o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) "na coleira".

 

Pé de capim

 

Lula reagiu às críticas de Musk e alfinetou o empresário indiretamente em dois eventos do governo federal. Na terça-feira, 9, ele disse que o dono do X deveria usar o seu dinheiro para "ajudar a preservar" o meio ambiente. Na quarta-feira, 10, o petista chamou o bilionário de "empresário americano que nunca produziu um pé de capim" no Brasil.

O advogado-geral da União, Jorge Messias, instituiu comissão de especialistas para a elaboração de 'estudo propositivo de revisão' do Decreto-Lei 200/1967, que dispõe sobre a organização da Administração Federal e estabelece diretrizes para a Reforma Administrativa.

 

A comissão será composta por representantes de secretarias da Advocacia-Geral da União (AGU) e Procuradoria-Geral Federal. O grupo poderá contar com a participação de convidados do Ministério da Gestão e da Inovação em Serviços Públicos, demais órgãos e entidades públicas, e da sociedade civil.

 

"A Comissão de Especialistas deverá apresentar ao Advogado-Geral da União o relatório, com o estudo propositivo de revisão do Decreto-Lei nº 200, de 1967, no prazo de doze meses, contados da data de sua instalação", diz portaria que cria a comissão publicada no Diário Oficial da União (DOU). A participação na equipe será considerada prestação de serviço público relevante, não remunerada.

O Supremo Tribunal Federal (STF) formou maioria, na madrugada desta sexta-feira, 12, com o voto do presidente da Corte, ministro Luís Roberto Barroso, para ampliar o alcance do foro especial de autoridades. Ao votar pela manutenção da prerrogativa de foro, nos casos de crimes cometidos no cargo e em razão dele, após a saída da função, o ministro considerou que o envio do caso a outra instância, quando o mandato se encerra, produz prejuízo para a investigação. Após o voto de Barroso, o ministro André Mendonça pediu vista para análise dos autos e o julgamento foi suspenso.

 

"Esse 'sobe-e-desce' processual produzia evidente prejuízo para o encerramento das investigações, afetando a eficácia e a credibilidade do sistema penal. Alimentava, ademais, a tentação permanente de manipulação da jurisdição pelos réus", disse Barroso.

 

Com o voto do Barroso, o STF tem seis votos pela manutenção do foro após a saída do cargo, incluindo os dos ministros Gilmar Mendes, relator da matéria, Dias Toffoli, Alexandre de Moraes, Cristiano Zanin e Flávio Dino.

 

O julgamento ocorre em sessão virtual do Supremo e a previsão de conclusão é até às 23h59 do dia 19 deste mês, mesmo com o pedido de vista.

 

O presidente do STF destacou que a decisão de manter o foro não altera a proposta feita por ele e aprovada pelo STF em 2018, na questão de ordem da AP 937. Na ocasião, o Supremo restringiu o foro apenas aos crimes cometidos durante o exercício do cargo e relacionados às funções desempenhadas.

 

Barroso esclareceu que o julgamento em andamento altera, na realidade, o entendimento firmado em 1999, segundo o qual o fim do cargo encerrava também a competência do STF.

 

"Nesse ponto, considerando as finalidades constitucionais da prerrogativa de foro e a necessidade de solucionar o problema das oscilações de competência, que continua produzindo os efeitos indesejados de morosidade e disfuncionalidade do sistema de justiça criminal, entendo adequado definir a estabilização do foro por prerrogativa de função, mesmo após a cessação das funções", argumentou Barroso.

O ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha, disse nesta sexta-feira, 12, que entrou para a política "para agregar e não para agredir", sem citar desavenças públicas com o presidente da Câmara, Arthur Lira, que ganharam ontem o noticiário.

 

Ao participar, no Rio de Janeiro, do Fórum Brasileiro dos Líderes de Energia, ele elogiou a "bancada da Energia" e disse que o grupo "consegue agregar", a despeito de ser formada por parlamentares de diferentes partidos e regiões geográficas, alguns com atuação de longa data junto ao setor e outros que se aproximaram do tema há menos tempo. Diversos parlamentares ligados ao setor estão presentes no evento e participarão de debate previsto para mais tarde.

 

Padilha comentou que considera que a Medida Provisória das Energias Renováveis e da Transição Energética, publicada nesta semana, será alvo de um debate "intenso e forte", mas disse que também haverá "muita construção de consenso".

O recuo de 0,9% no volume de serviços prestados em fevereiro ante janeiro representou uma acomodação, após três meses consecutivos de expansão, período em que acumulou um ganho de 1,5%, avaliou Luiz Almeida, analista da Pesquisa Mensal de Serviços, divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

 

"A gente pode dizer que sim, é uma acomodação", resumiu Almeida.

 

Segundo ele, houve impacto negativo em fevereiro decorrente de uma normalização da receita em segmentos que tiveram arrecadação extraordinária e não recorrente em janeiro, como as atividades jurídicas, beneficiadas pelo pagamento de precatórios, e impressão de livros, impulsionada pela demanda sazonal de início de ano letivo.

 

"São receitas que não são constantes. Então sem essas receitas em fevereiro, essas atividades tendem a voltar para o patamar anterior", disse Almeida. "Vemos muito forte essa acomodação neste mês justamente por janeiro ter sido influenciado por atividade jurídica e gestão integrada à produção de livros", completou.

 

Além disso, a redução na safra agrícola neste ano tem mostrado impacto bastante significativo no transporte de insumos e produtos, acrescentou o pesquisador.

 

Em fevereiro, quatro das cinco atividades investigadas registraram perdas: serviços profissionais, administrativos e complementares (-1,9%), informação e comunicação (-1,5%); transportes (-0,9%); e outros serviços (-1,0%). Apenas os serviços prestados às famílias mostraram crescimento, alta de 0,4%.

 

No geral, a retração nos serviços em fevereiro foi puxada pelos serviços prestados às empresas, que são parte majoritária da Pesquisa Mensal de Serviços, disse Almeida. O ciclo de redução da taxa de juros traz, no geral, uma tendência positiva para as atividades econômicas, mas o impacto nos serviços "é mais de longo prazo", explicou.

 

Já o segmento de serviços às famílias guarda relação com a situação macroeconômica, porém, variações de renda não influenciam diretamente seu desempenho. Almeida diz que os serviços às famílias têm peso importante dos hotéis e restaurantes, que seriam mais consumidos pelas faixas de renda mais elevadas. Portanto, uma variação na renda, seja para cima ou para baixo, impactaria mais o comércio do que esses serviços.

 

"Os serviços prestados às famílias são uma parte menor da pesquisa", lembrou Almeida, citando que essa atividade responde por uma fatia de apenas 8,24% da Pesquisa Mensal de Serviços.

O Produto Interno Bruto (PIB) da Espanha deve crescer 1,9% em 2024 e 2,1% em 2025, segundo o Fundo Monetário Internacional (FMI). A instituição projeta que a expansão será mais fraca do que a de 2023, quando o país avançou 2,5%, como consequência do investimento privado mais tímido e do consumo ainda em recuperação.

 

As estimativas foram apresentadas pelos técnicos da instituição na conclusão de mais uma rodada de consultas à Espanha realizada no âmbito do Artigo IV do FMI, de acordo com comunicado publicado nesta sexta-feira, 12.

 

A equipe técnica do FMI observa que a inflação deve continuar em trajetória descendente até 2025, em um contexto de preços globais de energia mais baixos e de pressões salariais mais contidas. Mesmo assim, a avaliação é a de que os riscos para o crescimento seguem inclinados para o lado negativo, enquanto os riscos para a inflação pendem para o positivo, ainda que mais equilibrados.

 

O documento prevê que o crescimento do emprego vai se moderar à medida que os fluxos migratórios se normalizam e a taxa de desemprego caia lentamente para o nível estrutural de médio prazo de 11%.

 

A dívida fiscal espanhola melhorou em 2023, mas a um ritmo mais lento do que em anos anteriores, e permanecendo elevada. O FMI afirma ainda que é necessário um novo esforço de consolidação plurianual para manter a dívida em trajetória descendente e renovar a confiança externa no país.

As bolsas da Europa fecharam sem sinal único nesta sexta-feira, 12, em sessão atenta a sinais dos Estados Unidos, principalmente sobre a política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) e o começo da temporada de balanços no país, com os dois fatores pressionando os índices. Por outro lado, ações de mineradoras tiveram forte alta na sessão por conta do avanço dos preços dos metais, o que fôlego especialmente à bolsa de Londres.

 

O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em alta de 0,06%, aos 504,85 pontos.

 

Nos EUA, as expectativas para a inflação medidas pelo Instituto Michigan em 12 meses subiram, passando de 2,9% em março para 3,1% em abril. Já para o intervalo de cinco anos, as expectativas de inflação cresceram de 2,8% para 3,0% em igual período.

 

Os resultados pressionam o Fed por uma postura mais restritiva. Já no começo da temporada de balanços, as ações do JPMorgan Chase recuam, após o maior banco em ativos do mundo revelar uma despesa extraordinária de US$ 725 milhões no primeiro trimestre relacionada ao estresse bancário no ano passado, o que camuflou o lucro acima do esperado no período.

 

No Reino Unido, a produção industrial teve alta mensal de 1,1% em fevereiro, surpreendendo analistas que previam estabilidade. Já o Produto Interno Bruto (PIB) britânico cresceu 0,1% no mesmo período, em um novo sinal de que o país está deixando a recessão para trás. No país, a mineradora Glencore subiu 5,10%, enquanto a Anglo American avançou 3,67%, impulsionando o FTSE 100 a fechar em alta de 0,91%, a 7.995,58 pontos, em Londres.

 

Na Alemanha, por sua vez, foi confirmado que a taxa anual da inflação ao consumidor (CPI) desacelerou a 2,2% em março. Em Frankfurt, o DAX recuou 0,28%, a 17.904,15 pontos. Em Milão, o FTSI MIB subiu 0,15%, a 33.764,15 pontos. Em Madri, o Ibex 35 teve alta de 0,31%, a 10.682,40 pontos. Em Lisboa, o PSI 20 avançou 0,65%, a 6.337,43 pontos.

 

Entre ações individuais, a da BP saltou 3,67% em Londres, após relatos de que a petrolífera britânica foi recentemente alvo de possível aquisição pela Abu Dhabi National Oil Co. (Adnoc), dos Emirados Árabes Unidos. Já o Société Générale fechou acordos para vender as operações marroquinas Société Générale Marocaine de Banques e La Marocaine Vie à empresa de investimento privado Saham Group, por 745 milhões de euros, e a ação do banco avançou 1,82% em Paris, onde o CAC 40 recuou 0,16%, a 8.010,83 pontos.

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) informou ter começado a receber, a partir desta sexta-feira, 12, projetos de desenvolvimento industrial e tecnológico no setor automotivo que visem a descarbonização da mobilidade e da logística. O banco de fomento informou ter disponíveis R$ 40 milhões em recursos não reembolsáveis para financiamentos em 2024.

 

A ação integra o programa BNDES Rota 2030, com orçamento total de R$ 200 milhões nos próximos cinco anos, frisou o banco, em comunicado.

 

Os projetos precisam ter valor mínimo de R$ 10 milhões por operação e serem propostos por instituições de pesquisa, embora possam ter parceria de empresas intervenientes.

 

"Em projetos com a participação de montadoras, será obrigatória a participação de pelo menos uma empresa da cadeia de fornecimento de componentes e insumos críticos. O Banco terá participação máxima de até 80% do valor dos itens financiáveis; e de até 90% para projetos ou empresas sediadas nas regiões Norte e Nordeste", especificou o banco de fomento, na nota.

 

Os projetos devem ser destinados a máquinas agrícolas (biometano e outros biocombustíveis alternativos), pesados urbanos (elétricos e a GNV/biometano), leves (híbridos a etanol, elétricos e células de combustível) e pesados rodoviários (GNV/biometano, biodiesel e células de combustível).

 

Os temas devem ser relacionados a baterias e powertrains (trens de força) de baixa emissão, com foco em híbridos (elétricos + biocombustíveis), incluindo seus componentes e insumos críticos e as soluções para infraestrutura de recarga; descarbonização dos processos produtivos de veículos, componentes, insumos críticos e materiais estratégicos (a exemplo de aço verde, alumínio e novas ligas especiais); e biocombustíveis e suas aplicações em veículos leves e pesados e em máquinas agrícolas (com destaque para as soluções de biometano, incluindo projetos-piloto de sua utilização).

 

"Em outubro do ano passado, BNDES e Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços (MDIC) assinaram um acordo de cooperação técnica que habilitou o banco a captar R$ 40 milhões ao ano para serem utilizados em projetos da cadeia de fornecedores do setor automotivo. Com o acordo, o banco passou a operar recursos dos fundos dos Programas Prioritários do Rota 2030, que provêm, principalmente, da contrapartida de empresas beneficiadas por isenção de impostos na importação de peças e insumos não fabricados no Brasil, mas necessários à melhoria da eficiência energética da frota", explicou o BNDES.

O dólar volta a subir no mercado local na manhã desta sexta-feira, 12, sintonizado à valorização da moeda norte-americana no exterior, após queda nas exportações e importações na China, chance de apenas um corte de juros nos Estados Unidos neste ano, e em meio a fator técnico e cautela interna com o quadro fiscal e da Petrobras.

 

Às 9h40, o dólar à vista subia 0,55%, a R$ 5,1187, após tocar em máxima a R$ 5,1227 (+0,63%) - maior máxima intraday desde 10/10/2023, a R$ 5,1418. O dólar para maio ganhava 0,54%, a R$ 5,1285.

 

No radar no câmbio está o vencimento de NTN-A na segunda, superior a US$ 3,5 bilhões, mas o Banco Central vendeu apenas US$ 1 bilhão em swaps cambiais extras neste mês para atender à maior demanda relacionada à liquidação desses contratos. Esse descasamento entre oferta e demanda por dólar futuro é fator de alta e um eventual novo leilão de swap cambial para suprir essa demanda técnica fica no foco, segundo um operador de câmbio.

 

Os juros futuros operam com viés de baixa após queda nos serviços em fevereiro, que afeta principalmente a ponta curta da curva, e dos rendimentos dos Treasuries nesta manhã, depois de a curva americana voltar a alcançar o pico desde novembro durante a sessão de ontem após dirigentes do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) reforçarem postura cautelosa em relação aos próximos passos da política monetária.

 

O volume de serviços prestados no Brasil caiu 0,9% em fevereiro ante janeiro, na série com ajuste sazonal, segundo os dados da Pesquisa Mensal de Serviços, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). No mês anterior, o resultado do indicador foi revisto de alta de 0,7% para avanço de 0,5%. O resultado de fevereiro contrariou a alta de 0,2% apontada pela mediana das estimativas dos analistas ouvidos pelo Projeções Broadcast, que previam desde uma queda de 1,2% a uma alta de 0,8%.

 

Na comparação com fevereiro do ano anterior, houve elevação de 2,5% em fevereiro de 2024, já descontado o efeito da inflação. Nessa comparação, o resultado ficou abaixo do piso das estimativas, que eram de uma elevação de 2,7% a 6,1%, com mediana positiva de 4,7%. A taxa acumulada no ano - que tem como base de comparação o mesmo período do ano anterior - cresceu 3,3%. Em 12 meses, os serviços acumulam alta de 2,2%.

 

O Itaú Unibanco elevou nesta sexta sua projeção para a taxa Selic de 2024, de 9,25% para 9,75% ao ano, citando o avanço das dúvidas internas e as dificuldades crescentes no exterior.

 

De acordo com o Itaú, um cenário global mais desafiador, com desinflação mais lenta, adiamento e redução do orçamento dos cortes de juros em economias desenvolvidas e incertezas domésticas (com maior pressão em preços de serviços mais sensíveis ao desempenho do mercado de trabalho e expectativas desancoradas) limitarão de forma mais intensa os cortes de juros. Ao mesmo tempo, o Itaú espera uma redução do ritmo de flexibilização monetária a partir de junho. Assim, estima que a Selic permaneça no nível de 9,75% ao longo de 2025.

 

Em relação à Petrobras, a Justiça suspendeu o presidente do Conselho de Administração da empresa, Pietro Mendes, opositor do CEO Jean Paul Prates. A empresa informa que vai recorrer. No Congresso, a oposição promete derrubar o veto presidencial ao projeto das saídas temporárias de presos no regime semiaberto para visitar as famílias. É mais um caso na atual gestão em que o Executivo contraria em parte uma decisão do Legislativo.

Dirigente do Banco Central Europeu (BCE), Madis Müller afirma que a desaceleração inflacionária na zona do euro "aumenta a probabilidade de que na reunião do início de junho" do BCE "já seja a hora certa de cortar as taxas de juros". Na avaliação dele, houve pouca surpresa na perspectiva para a economia da região desde a reunião anterior do conselho do BCE, no início de março, o que já pode em si ser considerado positivo, pela ausência de sobressaltos e a sinalização de que as projeções se saem bem.

 

As reflexões estão em texto publicado no blog do site do BC da Estônia, presidido por Müller.

 

Para ele, as altas nos preços continuam a desacelerar e há "mais e mais sinais" de que a economia da zona do euro como um todo ganha vitalidade.

 

O dirigente pondera que, antes de cortar juros, o BCE deseja ter mais confirmação de que o avanço nos preços dos serviços e as altas nos salários estão em tendência de baixa e que ela prosseguirá. Ao mesmo tempo, ele diz que não se surpreenderia se em alguns meses houvesse uma aceleração temporária na inflação, na comparação anual.

 

A economia da zona do euro como um todo "ainda está em um estado frágil no primeiro trimestre", mas há perspectiva de gradual recuperação, considera ele.

A três meses da transferência de Endrick para o Real Madrid, o torcedor do Palmeiras foi presenteado com mais uma joia da Academia. O meia-atacante Estêvão, de apenas 16 anos, foi o grande destaque da vitória do time de Abel Ferreira sobre o Liverpool-URU, na quinta-feira, no Allianz Parque. Escalado como titular, o jovem balançou as redes pela primeira vez como profissional, definindo o placar por 3 a 1 e se tornando o terceiro jogador mais novo a marcar um gol pelo clube, atrás apenas de Endrick e Heitor.

 

"Quando ele (Abel) falou que eu iria começar jogando, eu agradeci a Deus. Só Deus sabe o quanto eu lutei para estar aqui. Fico muito feliz, só tenho que agradecer ao Palmeiras também por ter dado a oportunidade. Fico muito feliz pelo gol, por ter contribuído e ajudado a equipe com a vitória", disse Estêvão, em entrevista logo após o final da partida.

 

Estêvão já havia participado de treinos com o elenco principal do Palmeiras no ano passado, mas subiu definitivamente para os profissionais neste ano. Alguns dos motivos que aceleraram a integração do jovem foi a lesão no início do ano de Luis Guilherme - outra joia da Academia, de 18 anos, que também se destacou contra o Liverpool - e o ótimo desempenho no Mundial Sub-17, na Indonésia, pela seleção brasileira.

 

Nascido em Franca, no interior de São Paulo, Estêvão começou no futebol aos 11 anos, no próprio Palmeiras, mas pouco tempo depois saiu para atuar pelo Cruzeiro. Divergências fizeram o atleta deixar o clube mineiro aos 14 anos, abrindo caminho para um retorno à Academia palmeirense. A habilidade com dribles curtos e o faro artilheiro fizeram o jovem ganhar o apelido de "Messinho" ainda na base alviverde.

 

Apesar do talento notável, não existe um planejamento específico para Estêvão assim como aconteceu com Endrick. Ele é visto como um jogador de grande potencial e arrancou elogios de Abel Ferreira após a partida contra o Liverpool. O garoto disputou 34 partidas com o time sub-17 em 2022 e outros 18 jogos com o sub-20 em 2023. Pelo clube alviverde, foi campeão da Copa São Paulo de Futebol Júnior neste ano, além dos títulos dos Campeonatos Paulistas sub-17 e sub-15 da temporada passada e do bi da Copa do Brasil Sub-17 em 2022 e 2023.

 

Estêvão tem contrato profissional com o Palmeiras até abril de 2026, com multa de 45 milhões de euros (R$ 238,9 milhões) - o vínculo mais curto se deve às normas relativas à idade do jogador. Ele já recebeu sondagens de clubes da Europa e, em 2022, rejeitou uma oferta de se transferir para o Paris Saint-Germain para continuar sua formação na equipe paulista.

Em preparação para a Série B do Campeonato Brasileiro, o Guarani deve ter mais uma saída confirmada nos próximos dias. O meia Chay, emprestado pelo Botafogo, foi liberado pelo clube paulista para procurar um novo clube.

 

Chay teve um desgaste com a torcida e quer mudar de ambiente. Ele foi liberado das atividades há mais de uma semana e sequer participou do jogo-treino com o Água Santa. Outro motivo também é o alto salário. O setor já conta com Luan Dias, Gustavo França e Bruno Oliveira.

 

Chay, de 33 anos, chegou ao Guarani nesta temporada, mas fez apenas seis jogos. Os dois primeiros como titular, sendo substituído, e os outros quatro iniciando na reserva.

 

O jogador tem contrato de empréstimo com o Guarani até dezembro, mas assim que acertar com um novo clube, será liberado. A janela de transferências para jogadores que disputaram os estaduais se encerra em 19 de abril.

 

Experiente, Chay chegou ao Botafogo em 2021 e depois ainda passou por Cruzeiro e Ceará. Antes passou por clubes como America-RJ, Portuguesa-RJ, Mogi Mirim-SP, entre outros.

 

O Guarani segue preparação para a Série B, que começa em 19 de abril. Sua estreia, porém, será na segunda-feira (22), às 21h, diante do Vila Nova, no estádio Onésio Brasileiro Alvarenga, o OBA, em Goiânia (GO). O primeiro jogo no estádio Brinco de Ouro, em Campinas (SP), será diante da Chapecoense, no dia 26, às 21h.

Daniel Alves fez as primeiras publicações nas redes sociais desde sua saída da prisão. O jogador não postava nada no Instagram desde 18 de janeiro de 2023, dois dias antes de ser preso preventivamente sob a acusação de estupro, e voltou a utilizar a conta há quatro dias, na segunda-feira, dia 8.

 

Na primeira imagem, o brasileiro publicou uma foto de um pôr do sol com apenas um sinal de exclamação na legenda. A publicação já acumula mais de 418 mil curtidas, mas teve os comentários desativados.

 

Já nesta quinta-feira, Daniel Alves publicou a imagem de uma obra de arte e novamente colocou apenas um sinal de exclamação na legenda, e a atualização tem mais de 154 mil curtidas. Os comentários dessa postagem também foram desativados.

 

Daniel Alves foi condenado a quatro anos e seis meses de prisão pelo estupro a uma mulher em uma casa noturna de Barcelona, na Espanha. O jogador alega inocência e recorre da sentença. A defesa conseguiu a liberdade provisória do atleta até que sejam analisados todos os recursos.

 

O benefício foi concedido após o pagamento de fiança estipulada em 1 milhão de euros, cerca de R$ 5,3 milhões na cotação atual. O brasileiro saiu da prisão no dia 25 de março. Ele entregou passaportes e precisa se apresentar semanalmente ao Tribunal de Barcelona, como garantia de que não vai sair do país.

A festiva temporada 2025 da Fórmula 1, que marcará o 75º aniversário do campeonato, terá novidades em seu calendário. O Mundial voltará a ser aberto pelo GP da Austrália, com ajustes para as primeiras etapas do Oriente Médio em razão do Ramadã. A programação prevê repetir o recorde de 24 corridas, com o GP de São Paulo mantido em novembro.

 

A maior novidade para 2025 é o retorno da Austrália como a primeira etapa da temporada. Melbourne não sediava a abertura do campeonato desde 2019. Desde então, com exceção da tumultuada temporada 2020, reduzida em razão da pandemia, a F-1 vinha abrindo o calendário pelo GP do Bahrein, país que também vem recebendo os testes da pré-temporada.

 

Bahrein abriu os últimos quatro campeonatos, incluindo o atual. Em 2025, esta será a quarta etapa da competição. E será seguida pelo GP da Arábia Saudita. Ambas as corridas estão agendadas para o mês de abril. A mudança se deve ao Ramadã, época especial do ano para países onde a maioria da população é muçulmana, com jejum e outras restrições. Em 2025, este período se estenderá até o fim de março.

 

Na atual temporada, a organização da F-1 precisou fazer ajustes incomuns em sua programação justamente por causa do Ramadã. Assim, as duas primeiras corridas do ano foram disputadas num sábado, e não no tradicional domingo. O mês sagrado para os muçulmanos começou no dia 10 de março, que seria o domingo do GP saudita.

 

A corrida, então, foi antecipada para sábado, o que acabou afetando a etapa anterior, no Bahrein. Pelas regras da F-1, há um intervalo mínimo de sete dias entre as provas. Por isso, a corrida no Bahrein também precisou ser antecipada para um sábado, dia 2 de março. O ajuste no calendário foi evitado para 2025 com a realização das duas provas em abril.

 

A programação para o próximo ano manteve o recorde de 24 provas, que será batido neste ano, e também a regionalização do calendário, concentrando etapas seguidas no mesmo continente. O GP de São Paulo foi mantido no mês de novembro, mais uma vez entre corridas nos Estados Unidos e no México.

 

A corrida no Autódromo de Interlagos está marcada para o dia 9, duas semanas depois do GP do México (26/10) e duas semanas antes do GP de Las Vegas (22/11). O GP dos Estados Unidos vai abrir esta série de provas nas Américas, em Austin, no dia 19 de outubro.

 

Confira o calendário da temporada 2025 da Fórmula 1:

 

GP da Austrália: 14 a 16 de março

GP da China: 21 a 23 de março

GP do Japão: 4 a 6 de abril

GP do Bahrein: 11 a 13 de abril

GP da Arábia Saudita: 18 a 20 de abril

GP de Miami: 2 a 4 de maio

GP da Emilia-Romagna: 16 a 18 de maio

GP de Mônaco: 23 a 25 de maio

GP da Espanha: 30 de maio a 1º de junho

GP do Canadá: 13 a 15 de junho

GP da Áustria: 27 a 29 de junho

GP da Inglaterra: 4 a 6 de julho

GP da Bélgica: 25 a 27 de julho

GP da Hungria: 1 a 3 de agosto

GP da Holanda: 29 a 31 de agosto

GP da Itália: 5 a 7 de setembro

GP do Azerbaijão: 19 a 21 de setembro

GP de Cingapura: 3 a 5 de outubro

GP dos Estados Unidos: 17 a 19 de outubro

GP do México: 24 a 26 de outubro

GP de São Paulo: 7 a 9 de novembro

GP de Las Vegas: 20 a 22 de novembro

GP do Catar: 28 a 30 de novembro

GP do Abu Dabi: 5 a 7 de dezembro

Com o fim do Paulistão, a diretoria do Santos voltou a reestruturar o elenco para o início da Série B do Campeonato Brasileiro, o grande objetivo da equipe na temporada. Nos últimos dias, direção e comissão técnica estão avaliando quem fica e quem sai. O último a deixar o clube foi o zagueiro Messias, emprestado ao Goiás.

 

O defensor de 29 anos foi emprestado ao time goiano até o fim da Série B. Messias havia desembarcado no Santos em dezembro de 2022 e somou 44 jogos pela equipe paulista, com três gols. Ao longo de 2023, ele foi uma das referências da defesa santista, apesar da fraca campanha do time no Brasileirão.

 

Também nesta semana o lateral-esquerdo Felipe Jonatan se despediu do clube da Vila Belmiro. Ele rescindiu contrato para acertar com o Fortaleza. A negociação envolve uma troca com o clube cearense. O também lateral Gonzalo Escobar deve se apresentar ao Santos nos próximos dias.

 

Outros que podem deixar o clube ainda antes do início da Série B são o atacante Alfredo Morelos e o lateral-direito Hayner. As dispensas visam mais uma vez reduzir a folha salarial do Santos para abrir espaço para novas contratações.

 

Nos últimos dias, o técnico Fábio Carille falou em até três reforços para a Série B. "Não poso cravar que está 100% certo, mas já tem conversas e observações em cima das nossas necessidades. Creio que vão chegar três peças bem pontuais para que a gente fique mais forte", disse o treinador, em entrevista ao canal Esporte por Esporte.

 

Ao mesmo tempo em que anuncia saídas, o Santos se torna alvo de diversos rumores sobre as contratações. Até Alexandre Pato, sem clube desde que deixou o São Paulo no fim do ano, foi alvo de especulações nesta semana. A direção santista não se manifestou sobre os nomes levantados pela imprensa.

 

As mudanças no elenco fazem parte de um novo processo de reestruturação do Santos. É a segunda vez que isso acontece desde que Marcelo Teixeira voltou a ser presidente do clube, no fim do ano passado. Na ocasião, o dirigente anunciou redução de custos da ordem de 45% no elenco, derrubando a folha salarial de R$ 14,8 milhões para R$ 8,1 milhões.

 

A economia foi feita com base em dispensas e redução de salários para os jogadores que foram mantidos no elenco. Ao mesmo tempo, o Santos agiu no mercado. Foram 14 contratações para a temporada, entre jogadores mais experientes e apostas: os laterais Aderlan, Hayner e Jorge, o zagueiro Gil, os volantes João Schmidt e Diego Pituca, os meias Giuliano, Cazares e Otero, e os atacantes Guilherme, Marcelinho, Pedrinho e Willian Bigode.

 

ESTREIA NA SÉRIE B

O Santos conheceu na noite de quinta-feira o início da sua trajetória na Série B. A estreia na segunda divisão está marcada para o dia 19, sexta-feira, e será logo em casa. O jogo contra o Paysandu foi marcado para a Vila Belmiro, às 20 horas.

 

Nas rodadas seguintes, o time paulista vai enfrentar o Avaí, fora de casa (26/04); o Guarani, em casa (6/05); e o Amazonas, fora de casa (11/05). A CBF só desmembrou as quatro primeiras rodadas até agora.

Em confronto direto valendo a última vaga nos playoffs, o New Orleans Pelicans não se intimidou com a torcida contra e derrotou o Sacramento Kings por 135 a 123, fora de casa, na noite desta quinta-feira. Os visitantes ficaram mais perto do último posto direto da Conferência Oeste nos playoffs da NBA.

 

O resultado estabeleceu os Pelicans na sexta posição, com retrospecto de 48 vitórias e 32 derrotas. Somente os seis primeiros colocados avançam direto aos playoffs. As equipes que ficarem entre o 7º e o 10º posto terão que disputar o play-in, a repescagem do mata-mata da NBA.

 

O triunfo deixou os Pelicans mais perto da classificação direta (precisa de uma vitória nas suas duas últimas partidas) e ainda definiu que os Kings terão que disputar o play-in. A equipe de Sacramento figura no 8º lugar, com 45/35. Agora a disputa dos Pelicans se restringirá ao Phoenix Suns, que ainda está na briga. Os Suns aparecem na 7ª colocação, com 47/33. Os dois times correm o risco até de empatar nesta reta final da temporada regular.

 

Em Sacramento, os Pelicans se impuseram em quadra com o trio formado por Zion Williamson (autor de 31 pontos), CJ McCollum (31 pontos) e Trey Murphy (27 pontos). Mas o cestinha da partida foi De'Aaron Fox, responsável por 33 pontos. Harrison Barnes contribuiu com 22.

 

Já sem chance de entrar direto nos playoffs, o Golden State Warriors tratou de manter o ritmo nesta quinta, ganhando embalo no momento mais importante do campeonato. Fora de casa, superou o Portland Trail Blazers por 100 a 92, anotando sua terceira vitória consecutiva.

 

Com o resultado, superou o Los Angeles Lakers na tabela. Os Warriors ocupam o 9º lugar, enquanto os Lakers caíram para o 10º posto. As duas equipes, que têm exatamente a mesma campanha (45/35), estão confirmadas no play-in. Os Warriors miram o 8º posto da tabela para evitar uma rodada da repescagem, evitando maior desgaste físico.

 

Stephen Curry liderou o time californiano, com 22 pontos, oito assistências e sete rebotes. Jonathan Kuminga contribuiu com 19 em noite sem Klay Thompson e Draymond Green. Pelos Trail Blazers, o destaque foi Deandre Ayton, cestinha da partida, com 25 pontos - registrou ainda um "double-double", com seus 11 rebotes.

 

Confira os resultados desta quinta-feira:

 

Detroit Pistons 105 x 127 Chicago Bulls

Boston Celtics 109 x 118 New York Knicks

Utah Jazz 124 x 121 Houston Rockets

Portland Trail Blazers 92 x 100 Golden State Warriors

Sacramento Kings 123 x 135 New Orleans Pelicans

 

Acompanhe os jogos desta sexta-feira:

 

Washington Wizards x Chicago Bulls

Philadelphia 76ers x Orlando Magic

New York Knicks x Brooklyn Nets

Boston Celtics x Charlotte Hornets

Cleveland Cavaliers x Indiana Pacers

Minnesota Timberwolves x Atlanta Hawks

San Antonio Spurs x Denver Nuggets

Memphis Grizzlies x Los Angeles Lakers

Oklahoma City Thunder x Milwaukee Bucks

Miami Heat x Toronto Raptors

Dallas Mavericks x Detroit Pistons

Portland Trail Blazers x Houston Rockets

Golden State Warriors x New Orleans Pelicans

Sacramento Kings x Phoenix Suns

Los Angeles Clippers x Utah Jazz

Finanças

As Melhores

Grade Lista

A Justiça da Argentina determinou na quinta-feira, 11, que o atentado à bomba contra a Associação Mutual Israelita Argentina (Amia) em 1994, o mais mortal da história do país, foi planejado e ordenado pelo Irã e executado pelo grupo libanês Hezbollah. O atentado em Buenos Aires matou 85 pessoas e feriu 300, devastando a maior comunidade judaica da América Latina.

 

O Tribunal de Cassação da Argentina disse que o ataque ocorreu em retaliação pela Argentina ter renegado um acordo de cooperação nuclear com Teerã.

 

Alegando o papel "político e estratégico" do Irã no atentado, o tribunal argentino abriu caminho para que as famílias das vítimas instaurassem ações judiciais contra a República Islâmica. Nas últimas três décadas, o Irã não entregou cidadãos condenados na Argentina. Os mandados de prisão da Interpol não levaram a lugar nenhum.

 

A decisão do tribunal não foi nenhuma surpresa, embora não tenha sido fornecido provas concretas do envolvimento direto do Irã ou ter lançado uma nova luz sobre o caso, após 30 anos de reveses.

 

O poder judicial da Argentina há muito tempo sustenta que o Irã esteve por trás do ataque, esfriando as relações entre os países - especialmente após o colapso de uma investigação conjunta. O Irã negou envolvimento.

 

O tribunal destacou altos funcionários iranianos e comandantes paramilitares da Guarda Revolucionária na determinação de que o Irã executou os bombardeios em resposta ao cancelamento de três contratos pela Argentina que teriam fornecido tecnologia nuclear a Teerã em meados da década de 1980. As conclusões foram baseados em relatórios confidenciais de inteligência.

 

A Argentina sofreu dois atentados graves, ambos em Buenos Aires: em 1992, contra a sede da embaixada israelense, que causou 29 mortes, e em 1994 contra o prédio da Amia, o pior da história argentina, que deixou 85 mortos.

 

A decisão de 711 páginas examina o contexto geopolítico de ambos os ataques e determina que a sua motivação, embora não tenha sido a única, respondeu à política externa do então presidente Carlos Menem (1989-1999).

 

Investigações anteriores sobre os atentados resultaram em acusações, não apenas contra autoridades iranianas, mas também contra dois ex-presidentes argentinos. Em 2015, o promotor-chefe do caso foi misteriosamente encontrado morto em seu banheiro, um dia antes de ir a público com alegações de que altas autoridades argentinas conspiraram com o Irã para encobrir a responsabilidade pelo atentado. Ao longo dos anos, testemunhas foram ameaçadas e subornadas.

 

A decisão de quinta-feira ocorre poucos meses antes do 30º aniversário do evento. Apesar de o caso estar paralisado há anos, as autoridades argentinas programaram grandes anúncios para coincidir com os aniversários do ataque sangrento. Ao completar 25 anos do ataque, a Argentina designou o Hezbollah como organização terrorista e congelou os ativos financeiros do grupo.

 

À luz da decisão do tribunal, Israel pediu à Argentina que declarasse a Guarda Revolucionária uma organização terrorista. O ministro das Relações Exteriores de Israel, Israel Katz, disse em comunicado nesta sexta-feira, 12, que entrou em contato com sua contraparte na Argentina, Diana Mondino, para entregar o pedido. Os dois conversaram na noite de quinta-feira, disse Katz.

 

Representantes da comunidade judaica da Argentina, onde vivem cerca de 230 mil judeus, elogiaram a decisão judicial de quinta-feira como "histórica e única na Argentina".

O governo do México apresentou nesta quinta-feira, 11, à Corte Internacional de Justiça (CIJ), com sede em Haia, uma ação pedindo a suspensão do Equador da ONU pelo ataque à sua embaixada em Quito, na semana passada, que causou o rompimento das relações diplomáticas entre os dois países.

 

"O México exige a suspensão do Equador até que seja emitido um pedido público de desculpas, reconhecendo as violações dos princípios e normas fundamentais do direito internacional", afirmou ontem a chanceler mexicana, Alicia Bárcena.

 

Além disso, o governo mexicano pediu que o Equador seja julgado e declarado "responsável pelos danos que as violações de suas obrigações internacionais causaram ao México", após a invasão da representação pela polícia equatoriana.

 

Invasão

 

O México acusa o Equador de violar a Convenção de Viena ao invadir a embaixada e atacar o corpo diplomático para prender o ex-vice-presidente equatoriano Jorge Glas, que estava abrigado no prédio desde dezembro e havia obtido asilo do governo mexicano. Ele foi condenado à prisão pela Justiça equatoriana em dois casos de corrupção, um deles envolvendo a Odebrecht.

 

O governo do presidente equatoriano, Daniel Noboa, acusa o México de ter violado antes a Convenção de Caracas, que não permite a concessão de asilo político para pessoas condenadas por crimes comuns. Muitos diplomatas e especialistas, no entanto, afirmam que cabe ao país que concede o asilo determinar se o caso é ou não político.

 

Temor

 

O presidente mexicano, Andrés Manuel López Obrador, argumentou que o que "se busca é não repetir um acontecimento desprezível como o sofrido pelo México". "Que não se repita em nenhum país do mundo, que o direito internacional seja garantido, que as instalações e as embaixadas não sejam violadas em nenhuma nação", disse.

 

López Obrador pediu ainda que outros países acompanhem voluntariamente a denúncia no Tribunal de Haia e "se unam ao governo mexicano para buscar a solidariedade internacional". "Porque este é assunto de todos, não apenas do México", segundo ele.

 

O pedido mexicano à CIJ é considerado ousado. Os casos apresentados ao Tribunal de Haia costumam levar anos para serem julgados, e provavelmente a sentença será emitida quando Noboa e López Obrador não estiverem mais no poder - o México tem eleições presidenciais em junho e o Equador, em 2025.

 

O Equador, no entanto, já enfrenta algumas consequências da decisão de invadir a embaixada mexicana. A adesão do país à Aliança do Pacífico - bloco composto por México, Peru, Chile e Colômbia - foi colocada em um limbo. Para ser aprovada, a entrada dependia da assinatura de um tratado de livre-comércio entre equatorianos e mexicanos, mas López Obrador já suspendeu as negociações.

 

Empresários do Equador também temem a imposição de travas comerciais às exportações do país, principalmente de produtos agrícolas, a base da economia equatoriana. (COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS)

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Os militares de Israel disseram nesta quinta-feira, 11, que estão preparados para defender o país e contra-atacar se o Irã promover uma retaliação por um ataque aéreo ao consulado iraniano na Síria no começo do mês.

 

Teerã responsabiliza Israel pelo ataque do início deste mês, que os EUA acreditam ter sido executado pelos israelenses. Israel não comentou sobre isso.

 

O principal porta-voz do exército, contra-almirante Daniel Hagari, disse a repórteres hoje que um ataque a partir do território iraniano "seria uma prova clara das intenções iranianas de escalar as tensões no Oriente Médio e parar de se esconder atrás de representantes".

 

Ele afirmou que Israel melhorou as suas capacidades ofensivas e defensivas nos últimos meses. "Saberemos como agir quando necessário", ressaltou.

 

Hagari informou ainda que o chefe do Comando Central militar dos EUA, general Erik Kurilla, chegou a Israel para uma avaliação estratégica com os líderes militares israelenses.

Nutricionista alerta para consumo exagerado

"Um elemento crucial, encontrado em diferentes partes do organismo, como os ossos e os músculos, é o colágeno, uma proteína estrutural primária que mantém a integridade óssea. A ingestão adequada de proteínas é vital para sustentar a saúde óssea e garantir sua estruturação adequada, juntamente com outros nutrientes essenciais", explica a nutricionista Dra. Iana Mizumukai de Araújo, nutricionista da Associação Brasileira de Avaliação Óssea e Osteometabolismo (ABRASSO).

 

A proteína desempenha um papel fundamental no funcionamento adequado do corpo humano, atuando em diversas funções vitais, desde a estruturação dos tecidos até a participação em processos metabólicos essenciais. No tecido muscular, as proteínas desempenham um papel dinâmico, com a presença das proteínas contráteis actina e miosina. "Essas proteínas são essenciais para a contração muscular, permitindo movimentos fluidos e precisos em todas as atividades do corpo humano", explica Dra. Iana.

 

É imperativo obter proteínas através da alimentação, pois são compostas por unidades menores conhecidas como aminoácidos e nosso corpo não é capaz de sintetizar todos os aminoácidos que necessitamos. Tanto alimentos de origem animal quanto vegetal contêm esses componentes essenciais. Fontes animais, como carnes, queijos, leite, iogurte e ovos, fornecem todos os aminoácidos necessários para o corpo. Enquanto isso, no reino vegetal, leguminosas como soja, feijões, lentilha, grão de bico e ervilha também oferecem aminoácidos essenciais, embora possam carecer de alguns em comparação às fontes animais.

 

Para indivíduos que seguem dietas vegetarianas ou veganas, é importante complementar as proteínas vegetais com alimentos ricos em aminoácidos, como cereais, incluindo arroz, trigo e aveia. Essa combinação garante a obtenção de proteínas completas, como exemplificado no clássico prato brasileiro de arroz com feijão. Também é importante o consumo de fontes de proteínas de alto valor biológico, segundo a nutricionista.

 

As necessidades diárias de proteína variam de acordo com a fase da vida e as condições de saúde. Para adultos saudáveis, a recomendação diária é de aproximadamente 0,8 a 1 grama de proteína por quilo de peso corporal. As gestantes e lactantes podem necessitar de quantidades ligeiramente maiores. Já indivíduos que praticam atividade física mais intensa possuem necessidades que podem variar de 1,4 a 2,0 gramas por quilo de peso por dia. E um idoso, por exemplo, pode precisar de 1,2 a 1,5 gramas por quilo de peso.

 

É crucial notar que o consumo excessivo de proteína pode ser prejudicial, uma vez que o excesso é excretado pelos rins. Quantidades superiores a 2,5 gramas por quilo de peso por dia podem sobrecarregar os rins, especialmente em indivíduos com doenças pré-existentes nos rins ou histórico familiar de problemas renais. Em alguns casos, a suplementação de proteína pode ser necessária, mas deve ser feita com supervisão médica e nutricional para evitar excessos.

 

Além disso, "é recomendado distribuir o consumo de proteínas ao longo do dia, incluindo em todas as refeições e lanches. Isso garante a absorção adequada e o aproveitamento máximo dos benefícios das proteínas em nosso organismo", finaliza Dra. Iana.

Obstetra explica o trabalho dessa especialidade durante a gravidez

No dia 12 de abril, é celebrado o Dia do Obstetra, uma data que destaca a importância vital desses profissionais na saúde materna e no cuidado com a vida que está por nascer. Os médicos, enfermeiros e outros profissionais especializados na obstetrícia desempenham um papel crucial em todas as fases da gravidez, desde o pré-natal até o parto e o pós-parto, garantindo o bem-estar da mãe e do bebê em cada etapa do processo. 

Com formação especializada em obstetrícia, esses profissionais dedicam suas vidas ao cuidado das gestantes, realizando exames, acompanhando o desenvolvimento fetal, oferecendo orientações sobre a saúde da gestante e do feto, e intervindo quando necessário para garantir uma gravidez saudável e um parto seguro. 

"A importância do médico obstetra vai além do aspecto clínico. Nosso papel acaba por nos tornar também confidentes, conselheiros e apoio emocional para as mulheres durante a jornada da maternidade. As habilidades técnicas aliadas à sensibilidade e empatia fazem toda a diferença, proporcionando às gestantes tranquilidade e confiança em um momento tão especial e delicado", explica a Dra. Anucha Schindler, médica ginecologista e obstetra, parceria da DKT South America, empresa líder em planejamento familiar. 

Além do acompanhamento durante a gravidez, os médicos obstetras também são responsáveis por conduzir o parto, seja ele normal ou cesárea, sempre priorizando a segurança e o bem-estar da mãe e do bebê. Sua expertise e treinamento os capacitam a lidar com situações complexas e emergências obstétricas, tomando as medidas necessárias para preservar a vida e a saúde de ambos."Além disso, é possível investigar quando alguma coisa não vai bem e buscar promover a melhor assistência possível para aquela mãe e para aquele ou aqueles bebês".

Por fim, a doutora finaliza resumindo que o obstetra é o profissional que cuida de duas ou mais vidas durante 9 meses, e que graças a ele é possível ter um pré-natal e um parto adequado e respeitoso com tudo de melhor para mãe e para o bebê.

Dado integra Pesquisa Vigitel 2023 e mostra que problema atinge mais mulheres; cardiologista Dr. Fernando Nobre explica

 

A hipertensão arterial é um problema silencioso e atinge 27,9% da população adulta brasileira, segundo levantamento do Sistema de Vigilância de Fatores de Risco de Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), divulgado no ano passado. Em números absolutos, são mais de 30 milhões de pessoas.

 

Segundo a Pesquisa Vigitel, a frequência de diagnóstico médico de hipertensão arterial foi maior entre mulheres (29,3%) do que entre os homens (26,4%) e constatou-se, ainda, que em ambos os sexos, esta frequência aumentou com a idade.

 

Dados publicados pelo Ministério da Saúde em maio de 2023 apontaram que a taxa de mortalidade por hipertensão arterial no Brasil atingiu o maior valor dos últimos dez anos, com a ocorrência de 18,7 óbitos por 100 mil habitantes. O levantamento considerou a base de dados final do Sistema de Informação sobre Mortalidade (SIM) para o ano de 2021.

 

No mês de abril, o problema ganha maior destaque, com o dia 26 sendo marcado como Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão Arterial.

 

O diagnóstico da hipertensão passa por dois números: 14 por 9. Se ao medir no aparelho a pressão alcançar esses números ou ultrapassá-los, é um sinal de alerta. A pressão alta é o principal fator de risco para complicações graves de saúde, como doenças cardiovasculares, doenças renais crônicas e morte prematura. Também está diretamente ligada a até 60% dos casos de infarto e em 80% dos casos de acidente vascular cerebral (AVC), ressalta o cardiologista e especialista em hipertensão arterial, Dr. Fernando Nobre.

 

"Entre as principais causas do avanço desse problema está o estilo de vida, com o sedentarismo, má alimentação, excesso de sal, além do sobrepeso e obesidade. Existe também o fator genético, já que a hipertensão pode ser hereditária em até 50% dos casos. A falta de diagnóstico pode levar a sérias complicações", explica o médico.

O cardiologista comenta que em avaliação realizada, inicialmente, na cidade de Ribeirão Preto, interior de São Paulo, e posteriormente em todo o país, apenas 17% dos entrevistados tinham conhecimento de a hipertensão ser um fator de risco para infarto e AVC.

 

 

Mulheres X Homens

 

Segundo a American Heart Association, os riscos de doenças do coração aumentam para todos com o passar da idade. No entanto, as mulheres, após a menopausa, podem ficar ainda mais vulneráveis, ao perderem a proteção hormonal natural.

 

"No período da menopausa, os níveis de estrógeno são reduzidos e o coração e vasos sanguíneos ficam mais expostos às alterações que levam a elevação da pressão arterial e de outras doenças cardiovasculares", fala o cardiologista.

O especialista lembra ainda que, além das alterações hormonais, outro fator importante é o estresse ao qual elas são submetidas todos os dias, com grandes jornadas de trabalho, excesso de responsabilidade e de conciliação de papeis. "Porém, há uma vantagem neste quesito, pois as mulheres costumam ir mais ao médico, o que pode favorecer a prevenção da doença", salienta.

 

 

Crianças e Adolescentes

 

A hipertensão não poupa essa faixa da população. Embora seja muito menos frequente – 3 a 5% de prevalência – as crianças e adolescentes também são acometidas, fazendo com que a atenção deva ser instituída já nas avaliações dos pediatras.

 

 

Hipertensão arterial no mundo

 

Um em cada três adultos é afetado pela doença no mundo, segundo relatório da OMS (Organização Mundial de Saúde) publicado em 2023 e que destacou os efeitos devastadores da pressão alta, chamado pela entidade de "assassino silencioso".

 

De acordo com o documento, quatro em cada cinco pessoas com hipertensão arterial não recebem tratamento adequado e, se os países conseguirem expandir estratégias que possibilitem o controle adequado da pressão, 76 milhões de mortes poderão ser evitadas até 2050.

 

"A prevenção, a detecção precoce e o tratamento eficaz da hipertensão são algumas das intervenções mais econômicas na área da saúde e precisam ser priorizados na atenção primária, por programas governamentais, nas sociedades médicas e pela própria população", conclui o Dr. Fernando Nobre

Mostra passa por 7 municípios e usa tecnologias imersivas para replicar ambientes e peças

Dando continuidade aos eventos comemorativos pelos seus 90 anos, a USP dá início, nesta sexta, 12 de abril, à itinerância da exposição inédita e gratuita USP 90 anos: uma jornada imersiva pelos nossos Museus, que percorre todos os municípios onde há campus da Universidade: Ribeirão Preto, Pirassununga, Bauru, São Carlos, Piracicaba, Lorena e São Paulo. A abertura acontece às 16h no espaço do polo Ribeirão Preto do Instituto de Estudos Avançados e a exposição fica em cartaz na cidade até o dia 10 de maio. 

 

A mostra apresenta uma experiência imersiva e digital que promove o encontro e a descoberta dos museus estatutários da Universidade, detentores dos maiores e mais relevantes acervos do Brasil: Museu de Arte Contemporânea (MAC), Museu de Arqueologia e Etnologia (MAE), Museu de Zoologia (MZ) e o Museu do Ipiranga, que faz parte do Museu Paulista (MP). Com seções exclusivas, os quatro diferentes acervos estarão reunidos no mesmo espaço por meio da intersecção entre recursos de realidade virtual e peças físicas selecionadas, criando para o público uma oportunidade de contemplar em um só trajeto a diversidade de conhecimento produzido e preservado por estes museus da USP. Todas as simulações e criações virtuais foram feitas na própria Universidade, pela equipe do Centro de Inovação da USP (InovaUSP).

O percurso inicia com 4M, filme documentário imersivo em formato de videoinstalação do artista e videomaker Tadeu Jungle. O acervo do MAC apresenta Boccioni no Brasil, tendo como destaque uma réplica da célebre obra Formas Únicas da Continuidade no Espaço, além da mostra Tempos Fraturados. O recorte do MAE para a exposição investiga a ocupação passada e presente dos povos indígenas na cidade de São Paulo e traz artefatos junto a uma projeção tridimensional do sítio arqueológico Abrigo Itapeva. O MZ trata do processo evolutivo animal e apresenta uma compilação de fósseis, além de mostrar exemplares impressionantes de dinossauros, inclusive um descoberto pela equipe do Museu. Já o enfoque do MP se volta para a diversidade da sociedade paulista por meio de retratos históricos e coleções de porcelanas, além de levar o visitante a conhecer parte das salas expositivas do Museu do Ipiranga e a célebre obra Independência ou Morte!

 

A nova mostra receberá visitas espontâneas autoguiadas e também contará com monitores e programa educativo para receber grupos e escolas das cidades onde será exposta. Além da exposição, a ação contará também com a realização de seminários e atividades dentro dos campi que serão visitados.

 

O coordenador da exposição, Hussam El Dine Zaher, que também é pró-reitor adjunto de Cultura e Extensão Universitária, comenta como essa exposição também tem um papel de divulgar uma pequena amostra de espaços que podem ser visitados para uma experiência ainda mais profunda: "Diferente de muitas experiências imersivas, em que a realidade virtual leva o público para lugares e tempos distantes — difíceis ou impossíveis de acessar —, USP 90 anos: uma jornada imersiva pelos nossos Museus traz até o público museus dos quais ele está a apenas alguns quilômetros de distância, como em um chamado para sua visitação e para o entendimento de seu papel enquanto espaços públicos e objetos de produção e formação acadêmica". Zaher destaca ainda o envolvimento dos museus no trabalho de produção da iniciativa: "Todos os diretores, curadores e equipes tiveram uma dedicação imensa ao longo de vários meses planejando e construindo essa exposição. É um trabalho de muitas mãos e olhares, por isso, tão rico", afirma.

 

Já a vice-reitora, Maria Arminda do Nascimento Arruda, que idealizou e propôs a realização desta ação para comemorar os 90 anos da Universidade, destaca a dimensão da presença da USP: "Ao mesmo tempo em que contamos com museus que possuem acervos absolutamente notáveis, alguns os maiores do mundo, temos, em cada um dos nossos campi, uma verdadeira cidade universitária. Por isso, a concepção desse projeto parte de um compromisso da gestão de atuar e pensar em um contexto de USP integrada. Este projeto foi pensado para que os campi da USP situados no interior pudessem ter um contato mais próximo com obras fundamentais e a solução tecnológica supriu a complexidade e o custo de transportar as obras de valor às vezes inestimável", explica.

 

A exposição USP 90 anos: uma jornada imersiva pelos nossos Museus conta com o apoio da Pró-reitoria de Cultura e Extensão Universitária da USP.

 

"A proposta dessa exposição parte do desejo da Universidade de maior aproximação com o público. Em relação aos museus, nossos acervos estão entre os maiores e mais importantes do mundo, com conteúdos incríveis e um trabalho de pesquisa e conservação bastante qualificado. Assim, a curadoria da mostra selecionou recortes representativos em uma concepção que leva o público para uma imersão nesse universo. A ideia não é simplesmente levar os museus até as cidades do interior, até porque isso seria impossível, mas sim passar ao público um pouco dessa dimensão e revelar todo este trabalho, convidando para que as pessoas façam uma visita aos museus sempre que tiverem essa oportunidade", explica o reitor da USP, Carlos Gilberto Carlotti Junior. 

Visitantes tem até o domingo (14/04) para conferir a exposição da educadora, pesquisadora e artista visual, Denise Camargo; em exibição na Galeria de Fotos do Centro Cultural Fiesp mostra tem o intuito de contribuir para transformação de pensamentos carregados de preconceito e intolerância religiosa, reforçando a presença da mitologia ancestral na cultura afro-brasileira

A exposição “E o silêncio nagô calou em mim”, exibida na Galeria de Fotos do Centro Cultural Fiesp, termina neste domingo (14/04). Até lá o público tem a chance de enfrentar seus pré-conceitos sobre os ritos e mitos que envolvem as religiões de matriz africana no Brasil. Também pode aperceber-se de suas identidades nas imagens produzidas pela educadora, pesquisadora e artista visual, Denise Camargo.

As séries, realizadas desde os anos 1990, são em maioria produzidas na Casa das Águas, terreiro localizado em Amador Bueno – SP. Há também imagens feitas em um templo de vodu, em Nova Orleans, Estados Unidos, entre outras que compõem a mostra.  Terreiros são territórios de resistência cultural e simbólica que atravessam a história do Brasil – e contribuem para a preservação das tradições afro-brasileiras.

A pesquisa poética, iniciada para o doutorado de Denise no Instituto de Artes da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), com orientação da cantora e bailarina Inaicyra Falcão dos Santos, foi mostrada pela primeira vez em 2010. O projeto se consolidou em 2013 e já fez itinerância por Salvador, Brasília e Santa Catarina. Inédita em São Paulo, a exposição procura mais uma vez dissolver pensamentos carregados de preconceito e intolerância, trazendo os visitantes para um mergulho no ambiente mítico-ritual.

“Trata-se de um espaço de experiência, de imersão cultural, de contemplação e respeito ao acervo de saberes”, detalha Denise, vencedora do Prêmio Palmares em 2012 para publicação da tese Imagética do candomblé, uma criação no espaço mítico-ritual.

As lentes de Denise capturaram e eternizaram imagens que procuram fugir da obviedade dos registros fotográficos sobre o tema. Na exposição, além das fotos, obras como textos poéticos da artista, objetos e um vídeo, editado pelo fotógrafo Guga Ferri. Há ainda um aplicativo, desenvolvido com a cooperação do artista interdisciplinar Fernando Fogliano, para coletar respostas à pergunta: O que cala em você? “A ideia é proporcionar diálogos com o público, construindo uma obra colaborativa e de interação”, salienta Denise.

A curadoria da exposição é de Diógenes Moura, escritor, editor, roteirista e curador de fotografia na Pinacoteca do Estado de São Paulo, entre 1998 e maio de 2013, e, mais recentemente, de mostras como “Terra em Transe”, em exibição no Centro Cultural do Cariri (CE).

A exposição reforça o debate contemporâneo sobre a diversidade étnica e cultural do Brasil como um patrimônio imaterial. “Além disso, promove uma ruptura das visões equivocadas e estereotipadas dos terreiros, difundidas, entre outros fatores, em razão do proposital temor criado em torno desses espaços”, complementa Denise. “A exposição trata desse silêncio profundo diante do desconhecido, diante desse mundo proibido que poderá ser entregue à compreensão dos outros”, observa o curador.

Denise é uma das representantes na quebra de hegemonia da arte branco-brasileira, algo que se concretizou com o avanço das políticas afirmativas dos governos progressistas e pavimentou a presença de artistas e curadores negros em exposições de artes na última década. “Queria fazer um trabalho que levasse em consideração a produção de imagens nesses espaços sagrados, verdadeiros polos de resistência cultural, e se refletisse nos brasis que moram em mim”.

Para o curador, a mostra é uma espécie de segredo. "É sobre o encontro de uma mulher consigo mesma, com a sua ancestralidade, com a sua existência.", observa. Portanto, “trata de humanidades, o que já é um convite para reflexões, sobretudo para o público paulistano, que pouco conhece sobre o Brasil verdadeiro", completa Diógenes.

A exposição, vale observar, fala de cultura e tem papel educacional ao explicar elementos presentes nos rituais do candomblé, não é sobre religião. Procura apresentar seus enredos, entretanto: nas escolhas curatoriais para as cores da parede, por exemplo; na elaboração da expografia, realizada pela arquiteta e cenógrafa Juliana Augusta Vieira; na programação visual do designer Pedro Menezes; na paisagem sonora criada pelos músicos Che Leal e Ugletson Castro, especialmente para o espaço expositivo. “Tudo isso intensifica a manutenção de um tempo cíclico, que é o tempo dos mitos, e a cosmogênese preto-brasileira.”, ressalta a artista. 

Com o tema "Amor por SP", a próxima edição da exposição urbana visa apoiar as iniciativas da ONG, incluindo os programas Favela 3D, Decolagem, Bazar Gerando Falcões e ASMARA

Conhecida por promover grandes exposições de arte urbana do mundo, como a Jaguar Parade, CowParade e Elephant Parade, a Artery anuncia a edição 2024 de uma das maiores exposições urbanas ao ar livre do Brasil, a "Art of Love", com o tema "Amor por SP", que vai ocupar a cidade de São Paulo nos meses de agosto e setembro. Com o objetivo de seguir com o seu propósito de impacto social e humanitário, a Artery se une em uma parceria com a ONG Gerando Falcões, que ficará responsável por destinar a arrecadação do leilão final das obras para iniciativas de impacto social, incluindo os programas Favela 3D, Decolagem, Bazar Gerando Falcões e ASMARA.

 

Desde sua fundação em 2010, a Artery tem desempenhado um papel vital na promoção de causas e marcas com exposições urbanas notáveis, como a CowParade e Elephant Parade. Em resposta aos desafios ambientais, lançou a Jaguar Parade, ampliando sua visibilidade de São Paulo para Nova York em parceria com organizações líderes, como PNUD, PNUME, UN75, WWF, Panthera e WCS. Agora, com o lançamento da nova edição da exposição 'Art of Love - Amor por SP', a iniciativa tem como objetivo destinar fundos arrecadados para a ONG Gerando Falcões, solidificando o seu compromisso contínuo de unir arte e impacto positivo na sociedade.

 

"O Art of Love é a expressão mais pura da nossa missão, revelando o poder transformador do amor. Sob o tema 'Amor por SP', mergulhamos nas riquezas desta cidade, unindo artistas, marcas e o público em torno de corações gigantes. Não apenas celebramos a estética da arte, mas ressaltamos o amor como força catalisadora de transformações concretas em São Paulo. A parceria com a Gerando Falcões intensifica nosso impacto, endereçando as necessidades das favelas sob a perspectiva de quem vivencia essa realidade de maneira direta", conta Carol Barreto, sócia-diretora da Artery.

 

A ONG Gerando Falcões atua por meio de abordagens inovadoras para compreender as necessidades das favelas e de seus moradores, buscando soluções práticas. Suas tecnologias sociais, como o Favela 3D, proporcionam intervenções sociais e físicas, revitalizando ou reconstruindo quando necessário. O programa Decolagem visa orientar e acompanhar famílias e crianças, desde a primeira infância, abrangendo saúde, educação e geração de renda para romper o ciclo de pobreza. Além disso, os negócios sociais da organização, Bazar Gerando Falcões e ASMARA, operam na moda circular, gerando empregos e oferecendo às mulheres das favelas uma fonte de renda própria, sem a necessidade de investimento financeiro pessoal – principalmente o segundo negócio social citado.

 

"Um dos nossos objetivos com essa parceria de sucesso é transformar a vida dos moradores da favela através da arte e, além disso, transformar a vida das pessoas que transitam por São Paulo e mostrar para elas que a arte urbana também está inteiramente ligada às favelas e todo o potencial existente em cada uma delas", explica Edu Lyra, Fundador e CEO da Gerando Falcões.

 

O Art of Love São Paulo 2024 é apresentado pelo Ministério da Cultura, por intermédio da Lei de Incentivo à Cultura, e Unimed.

Exemplo de banner - Início 2
Exemplo de banner inicial 2
Exemplo de banner - Início 2