O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, cobrou mais uma vez do governo um pacote integrado de ações para enfrentar os impactos da crise provocada pela pandemia do coronavírus no País.

Segundo ele, o Parlamento tem ajudado e está aberto ao diálogo para construir as soluções, mas o governo precisa garantir previsibilidade para a sociedade brasileira e liderar esse processo. “Estou dizendo que, se o governo não decidir, o Congresso vai decidir. Isso é bom? É péssimo, porque a solução vai chegar de forma desorganizada. Isso vai gerar mais insegurança, por isso vou continuar cobrando”, ressaltou.

Maia participou de evento nesta sexta-feira do Grupo Lide, que reúne diversos segmentos empresariais. O presidente da Câmara disse que deveria ter sido proposta uma política compensatória para o setor de shoppings, por exemplo, como foi feito para o setor aéreo. “Isso não foi feito, mas não vamos brigar pra trás, vamos olhar o futuro”, disse o presidente.

Para Rodrigo Maia, é preciso superar as divergências entre os Poderes e entre o governo federal e os entes federados para encontrar consensos para solucionar a crise. “Quem precisa enfrentar os problemas é o Estado brasileiro”, completou.

Reunião

Maia voltou a propor que o presidente Jair Bolsonaro comande uma reunião com os chefes dos Poderes e representantes dos governadores para reabrir o diálogo. O Executivo federal e os governadores têm entrado em conflito em relação às medidas adotadas para conter o avanço do vírus, especialmente o isolamento social e o fechamento de escolas e do comércio. “A gente não pode brincar, se liberar agora [do isolamento] vai ser uma tragédia”, ressaltou Maia.

Segundo Maia, decisões atropeladas entre os Poderes e os entes federados dificultam o combate à crise. “Se tivesse tudo organizado, a questão dos empregos, da suspensão de impostos, a questão dos aluguéis, dos vulneráveis; se tudo tivesse em um pacote só, esses conflitos não existiriam, porque todos estariam organizados [no enfrentamento da pandemia]”, disse o presidente da Câmara.

Isolamento social

Rodrigo Maia reafirmou que o isolamento social é a melhor medida de contenção dos impactos do vírus e avaliou que não é o momento para liberar as pessoas a voltar à circulação normal. Na avaliação do presidente da Câmara, isso poderia aumentar a contaminação e colapsar o sistema de saúde, gerando impacto ainda maior na economia com uma recessão maior do que a prevista.