O diretor do hospital Wuchang, na cidade chinesa de Wuhan, centro do novo coronavírus, morreu ontem (18) de uma pneumonia resultante do Covid-19, informou o Diário do Povo, jornal oficial do Partido Comunista Chinês.

Liu Zhiming, neurocirurgião de 50 anos, é o primeiro diretor de um hospital a sucumbir à doença, informou o jornal.

O hospital administrado por Liu é um dos centros médicos especificamente designados para o atendimento de pacientes de Covid-19, na capital da província de Hubei, que foi colocada sob quarentena, em 23 de janeiro, com entradas e saída interditas.

Cerca de dois mil profissionais de saúde chineses já foram pelo novo coronavírus, e vários morreram. As autoridades chinesas isolaram várias cidades da província de Hubei, no centro do país, para tentar controlar a epidemia, medida que abrange cerca de 60 milhões de pessoas.

Número de mortos e novos casos

O número de mortos devido ao novo coronavírus (Covid-19) na China continental subiu ontem para 1.873, ao mesmo tempo em que foram registrados 1.886 novos casos de infeção, na primeira vez, desde o início do surto. No total, já foram registrados 72.528 casos de coronavírus na China. A Comissão de Saúde da China indicou que entre as 98 mortes ocorridas no país, 93 foram registadas na província de Hubei, centro do surto e onde várias cidades foram colocadas sob quarentena, com entradas e saídas interditas, uma medida que afeta quase 60 milhões de pessoas.

Entre os 1.873 novos pacientes, 1.807 são também reportados por Hubei, onde a epidemia foi detectada no final de 2019.

Até à meia-noite (13h de segunda-feira em Brasília), um total de 11.741 casos graves foram detetados no país, enquanto 12.552 pacientes superaram a doença e receberam alta.

As autoridades acrescentaram que 560.901 pessoas foram acompanhadas por terem tido contacto próximo com infetados, entre os quais 141.552 ainda estão sob observação e 6.242 são casos suspeitos de terem contraído o novo coronavírus.