A direção do Partido Democrático (PD) da Itália decidiu nesta quarta-feira retirar o veto à manutenção de Giuseppe Conte no cargo de primeiro-ministro - uma exigência do Movimento 5 Estrelas (M5S) - e conceder um mandato para que o seu secretário nacional, Nicola Zingaretti, transmita ao presidente do país, Sergio Mattarella, a disposição da sigla de "verificar as condições políticas e programáticas e contribuir para dar vida a um novo governo".

"Hoje, após a temporada consumida pela crise desejada pela Liga, Giuseppe Conte será o candidato indicado pelo 5 Estrelas para a liderança de um governo fundado sobre um plano e um programa diferentes", afirmou Zingaretti aos correligionários. "Nós reconhecemos nessa escolha a decisão autônoma do partido com maioria relativa nesta legislatura. Com essa vontade, o M5S reivindica, e é legítimo, a presidência (do Conselho de Ministros) do governo."

Segundo Zingaretti, o modelo adotado pelo M5S com a Liga até a implosão do governo foi "um erro" e, portanto, não será replicado numa eventual aliança do partido de Luigi Di Maio com o PD. O que haverá, afirmou o secretário nacional da sigla, é "o retorno a uma prática normal de dividir um programa e de uma visão, um horizonte comuns".

O Palácio Quirinal, sede da Presidência da República italiana, informa que Mattarella receberá o grupo parlamentar do PD hoje, às 11h (de Brasília), e a delegação do M5S, às 14h como parte das consultas para a formação de um novo governo.