Veja lista com as 5 melhores séries lançadas em 2024 - e onde assistir no streaming

Variedades
Tipografia
  • Pequenina Pequena Media Grande Gigante
  • Padrão Helvetica Segoe Georgia Times
Quais as melhores séries de 2024 para assistir no streaming até agora? O site Rotten Tomatoes divulga frequentemente uma lista com as melhores produções do ano. Confira a seguir a lista com as 5 melhores séries lançadas neste ano.

*A primeira colocação no site pertence à série Girls5Eva (Netflix). Porém, como foi lançada em 2021, e conta apenas com uma nova temporada em 2024, não foi considerada nesta lista, que prioriza produções que fizeram sua estreia entre janeiro e maio deste ano.

1ª - Bebê Rena (Netflix)

Baseada em fatos reais, a série tem início quando o barman de um pub britânico é gentil e dá atenção a uma cliente nova e solitária chamada Marta Scott. Ele não esperava, porém, que ela se transformaria em uma stalker obsessiva que lhe envia centenas de e-mails diariamente, além de persegui-lo com ataques de ciúmes.

2.ª - Xógum - A Gloriosa Saga do Japão (Star+ e Disney+)

Produzida e protagonizada por Hiroyuki Sanada, Xógum é ambientada no Japão dos anos 1600, no início de uma guerra civil, e acompanha o Lorde Yoshii Toranaga, que precisa lutar pela vida quando seus inimigos do Conselho de Regentes se unem contra ele.

A situação fica ainda mais complexa quando um navio europeu misterioso é encontrado encalhado em um vilarejo de pescadores próximo. Trata-se da segunda adaptação do livro do autor australiano James Clavell para as telas, que já teve um filme homônimo em 1980.

3.ª - X-Men 97' (Disney+)

A série é uma continuação da animação que fez sucesso nos anos 1990, resgatando o espírito da versão anterior, seja nos traços dos personagens, nos frames por segundo da tela, na dublagem e no tempo de cada episódio (todos curtos, com 30 minutos de duração).

Em tempos de nostalgia em alta, Marvel fez bem em resgatar um queridinho dos fãs. Melhor ainda em evitar um remake e realmente desenvolver a história a partir do narrativa deixada lá atrás.

4.ª - Mary & George (Indisponível no Brasil)

Protagonizada por Julianne Moore e Nicholas Galitzine, a produção britânica foi lançada pela Sky Atlantic e posteriormente exibida pelo streaming Starz nos Estados Unidos, mas ainda não chegou ao Brasil. Os episódios são baseados no livro The King's Assassin (2017), escrito por Bejamin Woolley, que fala sobre homossexualidade e um plano secreto para matar o rei Jaime, do Reino Unido, por volta do fim do século 16.

5ª - Um Pesadelo Americano (Netflix)

Dividido em três partes, o documentário aborda a história real do fisioterapeuta Aaron Quinn e sua namorada Denise Huskins, que, em 2015, foi sequestrada por dois homens em sua casa. Aaron foi considerado suspeito de forjar o sequestro, e ambos tiveram que enfrentar a polícia local para provar que foram vítimas de um crime real.

Em outra categoria

O governo de São Paulo prorrogou a campanha de vacinação contra a poliomielite até o fim de junho, cujo encerramento estava previsto para ontem (14). A ampliação do prazo de aplicação das doses contra a paralisia infantil abrange todos os 645 municípios paulistas.

A campanha é voltada a crianças de 1 a 4 anos. Há a possibilidade de aplicação em crianças com menos de 1 ano de idade mediante avaliação da caderneta de vacinação.

O vírus da poliomielite pode causar paralisia muscular nos membros inferiores e, em casos graves, há risco de morte. A vacinação é a principal forma de prevenção.

Segundo o Governo, 185,2 mil doses foram aplicadas até quarta-feira, 12. O objetivo da ampliação do prazo é chegar a mais crianças.

Com quedas no índice de vacinação, o Brasil está na lista da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) de países em risco da reintrodução do vírus da pólio. O último caso no Brasil ocorreu em 1989.

A meta nacional é vacinar 95% do público-alvo, que abrange 13 milhões de crianças. Em 2023, 84,6% do total recebeu a vacina.

A Prefeitura de São Paulo assinou, na sexta-feira, 14, o decreto de regulamentação da outorga onerosa, contrapartida financeira paga ao município pelas empresas interessadas em construir edificações acima dos limites construtivos básicos definidos pelo plano diretor.

A medida era esperada pelas construtoras e incorporadoras da cidade de São Paulo, que temiam um gargalo no lançamento dos próximos projetos imobiliários. O processo de licenciamento havia sido paralisado nos últimos meses até que a atualização das normas fosse concluída.

O presidente executivo do Sindicato da Habitação (Secovi-SP), Ely Werthein, afirmou que a conclusão do decreto afastou o risco de gargalos. "O assunto está superado. Não vamos correr risco de represamento", disse, em conversa com o Broadcast.

Em nota, a Secretaria Municipal de Urbanismo e Licenciamento informou que a regulamentação era necessária porque houve mudanças na forma de aplicação do cálculo da outorga onerosa após a revisão do Plano Diretor e da Lei de Zoneamento, ambas ocorridas em 2023 e 2024, respectivamente.

O cálculo da outorga é realizado com base em fórmulas definidas na regulamentação a partir da área do terreno, área construída e valor do metro quadrado. Os recursos arrecadados com a outorga onerosa têm como destino o Fundo de Desenvolvimento Urbano (Fundurb) e são utilizados na implantação de programas de habitação social e qualificação da mobilidade.

Eliana gravou seu programa de despedida no SBT, com participação especial do cantor Daniel - a edição vai ao ar no dia 23 de junho. O anúncio da saída da apresentadora após 15 anos na emissora de Silvio Santos, porém, não surpreende dadas as circunstâncias atuais da TV aberta.

Há uma revolução em curso, tanto no entretenimento quanto no jornalismo. A cada ano, as redes tradicionais buscam se reinventar para melhorar a audiência, gradativamente menor devido à vasta oferta de conteúdos nas redes sociais e no streaming.

Os programas de auditório, responsáveis por determinar a popularidade de um canal, sofreram transformações consideráveis que impactam o gênero de maneira sem precedentes.

Além dela, o problema de saúde de Faustão, o "sumiço" de Silvio Santos e a aposentadoria de Raul Gil indicam que os três nomes históricos dos finais de semana abrem espaço para uma nova geração de comunicadores assumir o batente. Antes disso, as mortes de Hebe Camargo e Gugu já haviam deixado um vazio irreparável no formato.

Duas destas lendas são sucedidas por grau de parentesco: João Silva (filho de Faustão), na Band, e Patrícia Abravanel (filha de Silvio Santos), no SBT. Mas há ainda os casos de Luciano Huck e Marcos Mion, ambos na TV Globo; Rodrigo Faro, na Record; Celso Portiolli e Benjamin Back, no SBT - os cinco nem são tão novatos, mas também representam um novo estilo de apresentar, mais enérgico e conectado com a juventude.

Outra aposta das emissoras é o vínculo com as celebridades da internet. O SBT escalou a influenciadora Virginia Fonseca para uma atração que tem registrado bons índices desde a sua estreia, em abril. Segundo o Kantar IBOPE, a primeira exibição do Sabadou com Virginia acumulou 52% mais audiência em comparação com os sábados de março do canal. Em junho, o programa alcançou mais de 7 milhões de espectadores.

Back estreou recentemente o programa de variedades É Tudo Nosso. "Assim como o futebol teve o Pelé, a TV brasileira tem o Silvio Santos. Ou seja, assim como o rei do futebol jamais será superado, o rei da TV brasileira também não será", opina, ao Estadão. "Em relação ao estilo de apresentar, isso depende muito de cada programa. Mas uma coisa todos têm que ter, e isso independe da geração: carisma", diz.

"A mistura deve ser entre a novidade e o saudosismo, porque as pessoas têm cada vez mais saudades da televisão dos anos 90 e vemos isso quando tem alguma homenagem, por exemplo, no Domingão, comigo, com o João Augusto [Liberato, filho de Gugu], ou com o Raul Gil", complementa João Silva, em depoimento ao Estadão.

Autor do livro Programação de TV: conceitos, estratégias, táticas e formatos, Renato Tavares aponta as diferenças:

"Quando comparamos as características dos apresentadores que começaram há algumas décadas em relação aos mais novos identificamos que a nova geração utiliza figurinos menos formais, busca interagir nas redes sociais e está aberta a experimentar formatos mais diversificados para introdução de conteúdos publicitários", explica ele, também professor curso de Rádio, TV e Internet da Faculdade Cásper Líbero.

Singularidade do formato é triunfo contra o streaming

A versatilidade dos programas de auditório é uma das principais razões para a longevidade do gênero na TV brasileira, aspecto singular diretamente responsável pelo faturamento comercial e os bons índices de audiência.

"O formato representa um diferencial das emissoras de TV em relação às plataformas de streaming, que ainda não aderem muito a este gênero e priorizam realities, obras documentais e ficcionais", analisa Tavares.

Na era onde o consumo de informações é cada vez mais rápido e as opções de entretenimento são variadas, a estratégia para preservar a relevância do modelo, segundo os apresentadores, está ligada à combinação de abordagens.

A opinião de Benja é corroborada pelo líder do Programa do João. "O segredo é fazer esse combo entre externa e palco. E tem que ser dinâmico, o programa com mais quadros e mais repartido", acrescenta.

Fato é que os próximos anos serão fundamentais para determinar o sucesso ou não da modernização de um modelo que caiu nas graças do povo brasileiro.