Estados do Sul e do Sudeste cogitam compras conjuntas de softwares, viaturas e câmeras para PM

Política
Tipografia
  • Pequenina Pequena Media Grande Gigante
  • Padrão Helvetica Segoe Georgia Times

Governadores dos Estados das regiões Sul e Sudeste apresentaram nesta quinta-feira, 29, a ideia de realizarem compras de equipamentos de segurança pública, como viaturas, câmeras para uniformes policiais e softwares. A medida teria dois objetivos: aumentar a integração entre as forças de segurança dos Estados para combater o crime organizado e baratear o custo dos equipamentos.

 

A proposta foi mencionada por Eduardo Leite (PSDB-RS) durante encontro, em Porto Alegre, do Consórcio de Integração Sul e Sudeste (Cosud) - formado por São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Rio Grande do Sul, Paraná e Santa Catarina.

 

A preocupação com a integração das forças de segurança estaduais cresceu diante da constatação de que facções criminosas com origem em São Paulo e no Rio de Janeiro se espalharam por todo o País e se infiltraram em várias prefeituras.

 

Leite disse que o Rio Grande do Sul está no processo de adotar câmeras corporais para os policiais, mesmo caso do Espírito Santo e do Paraná. Minas Gerais, Rio de Janeiro e Santa Catarina já adotam a tecnologia. São Paulo tem cerca de 10 mil câmeras em utilização, mas o governo de Tarcísio de Freitas (Republicanos-SP) tem um histórico de idas e vindas sobre o tema.

 

No início do ano, ele questionou a efetividade do equipamento e disse que a ampliação do programa não era prioridade. Depois, voltou atrás e afirmou que poderia comprar mais câmeras para os policiais. O governador paulista não participou da abertura do Cosud devido à realização do leilão do Trem Intercidades.

 

Assim como o paulista, Cláudio Castro (PL-RJ) participará do Cosud a partir desta sexta-feira, 1º, enquanto Jorginho Mello (PL-SC) sentiu uma indisposição e não compareceu.

 

"Também queremos falar sobre aquilo que nos ajuda a enfrentar o crime organizado, como inteligência, tecnologia, maior integração entre as polícias e endurecimento da legislação", disse o governador gaúcho. "A gente conversava sobre aquisições em segurança pública de softwares e sistemas que dialoguem, e não tenham incompatibilidade, para que a gente possa fazer uma integração mais profunda com nossos Estados vizinhos", continuou Leite.

 

Coordenador do Cosud, o governador do Paraná, Ratinho Júnior (PSD), disse que a inspiração são consórcios municipais que atuam em diversos Estados e que fazem compras compartilhadas principalmente na área da saúde, o que ele citou como uma possibilidade de acontecer também no consórcio estadual.

 

"Por exemplo, nós temos que comprar câmeras de segurança para policiais. Por que não pode fazer um consórcio comprar todo mundo junto para baratear o preço? Precisamos comprar viaturas, medicamentos. Tem uma série de possibilidades que ajudam a economizar os recursos públicos", afirmou o paranaense.

 

Governadores rechaçam caráter eleitoral do grupo

 

O Cosud é formado por seis governadores que vão da centro-direita à direita e são cotados como possíveis herdeiros políticos de Jair Bolsonaro (PL), atualmente inelegível. Eduardo Leite tenta se posicionar como uma terceira via, enquanto Zema, Ratinho, Castro e Mello são aliados do ex-presidente.

 

O único destoante é Renato Casagrande (PSB-ES), cujo partido é de centro-esquerda e integra a base de apoio ao governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Ele afirmou que o objetivo do Cosud é melhorar as políticas públicas em cada Estado e que os governadores respeitam as diferenças ideológicas entre eles. O governador também pontuou que o consórcio não substitui os partidos políticos de cada mandatário. "Se o consórcio se envolver em debate eleitoral, o consórcio acaba", disse Casagrande.

 

Segundo Eduardo Leite, "em tese", todos os governadores do Cosud são presidenciáveis porque governam Estados importantes. O gaúcho afirmou, porém, que a eleição presidencial não faz parte do dia a dia dos governadores e que o debate é colocado por analistas políticos "que na sua função ficam analisando política".

 

A expectativa dos governadores é que até sábado (2) haja um consenso e o estatuto do Cosud seja aprovado para o grupo ganhar mais robustez. Serão debatidos em Porto Alegre quantos cargos farão parte da estrutura permanente do consórcio, assim como as respectivas remunerações e o critério de rateio para definir quanto cada Estado contribuirá financeiramente.

Em outra categoria

Donald Trump está usando uma campanha de arrecadação de fundos na mansão de um bilionário para mostrar seu apoio entre os republicanos megarricos, arrecadando cerca de US$ 50 milhões neste sábado (6). Mas o seu maior doador em 2020 ainda não contribuiu.

Miriam Adelson - que com seu falecido marido, Sheldon Adelson, foram os maiores doadores para o esforço de Trump em 2020, com US$ 90 milhões em contribuições - ainda não contribuiu para a candidatura de Trump para 2024. Ela está entre um número cada vez menor de grandes nomes resistentes, que também incluem o CEO da Blackstone, Stephen Schwarzman, e Paul Singer, da Elliott Management.

A arrecadação de Trump neste sábado seria quase o dobro do que o democrata Joe Biden arrecadou recentemente em um único evento. Trump se gabou de ter superado o número de arrecadação de fundos de Biden. "As pessoas estão desesperadas por mudanças", disse ele em uma postagem nas redes sociais.

Cada vez mais, Trump corteja a classe dos megadoadores, incluindo Adelson, que é uma das mulheres mais ricas do mundo. Ela é a acionista controladora do gigante dos cassinos criado por seu marido, Las Vegas Sands. O ex-presidente fala com ela regularmente e os dois jantaram duas vezes nos últimos dois meses, em Las Vegas e no complexo de Trump em Mar-a-Lago, em Palm Beach.

Espera-se que Adelson eventualmente contribua, de acordo com várias pessoas próximas a ela ou à rede de arrecadação de fundos de Trump. Um porta-voz de Adelson não quis comentar.

Não está claro como Miriam Adelson vê os comentários críticos de Trump sobre o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, e a sua gestão da guerra do país com o Hamas. Trump disse que a guerra precisa "terminar" ou Israel perderá posição no mundo - comentários que Trump fez aos jornalistas de um jornal de propriedade de Adelson. Nascida em Israel, Adelson é uma forte defensora de sua terra natal.

Mas uma pessoa próxima a ela diz que ela não recebeu os comentários muito bem. Essa pessoa acrescentou que Adelson "será sensível a qualquer coisa que pareça comprometer a posição de segurança de Israel".

O Ministério das Relações Exteriores divulgou nota, há pouco, condenando a invasão da embaixada mexicana no Equador pela polícia daquele país. "O governo brasileiro condena, nos mais firmes termos, a ação empreendida por forças policiais equatorianas na Embaixada mexicana em Quito na noite de ontem, 5 de abril", diz a nota.

De acordo com o Itamaraty, a ação representa uma "clara violação" à Convenção Americana sobre Asilo Diplomático e à Convenção de Viena sobre Relações Diplomáticas. A convenção determina que as embaixadas são invioláveis e só podem ser acessadas com consentimento do chefe da missão diplomática.

"A medida levada a cabo pelo governo equatoriano constitui grave precedente, cabendo ser objeto de enérgico repúdio, qualquer que seja a justificativa para sua realização", critica o governo brasileiro.

O México anunciou nesta sexta-feira, 5, o "rompimento imediato" das relações diplomáticas com o Equador depois que a polícia equatoriana invadiu a embaixada mexicana em Quito para prender o ex-vice-presidente Jorge Glas, que havia recebido asilo político.

Em uma mensagem na rede social X (antigo Twitter), o presidente mexicano Andrés Manuel López Obrador descreveu o incidente como uma "violação flagrante do direito internacional e da soberania do México".

A ativista climática Greta Thunberg foi detida na manhã deste sábado pela polícia holandesa na cidade de Haia, após participar de uma manifestação que bloqueou parcialmente uma rodovia da região.

Thunberg foi vista fazendo um sinal de vitória enquanto estava sentada em um carro usado pela polícia para retirar os manifestantes, que protestavam contra os subsídios holandeses e incentivos fiscais a empresas ligadas às indústrias de combustíveis fósseis.

Os manifestantes agitavam bandeiras e gritavam: "Somos imparáveis, outro mundo é possível". Um deles segurava uma faixa que dizia: "Esta é uma rua sem saída".