Colapso das correntes do Atlântico está mais próximo, diz estudo. Que desastres isso causaria?

Geral
Tipografia
  • Pequenina Pequena Media Grande Gigante
  • Padrão Helvetica Segoe Georgia Times
Um colapso das correntes oceânicas do Atlântico, que pode levar grandes partes da Europa a uma intensa onda de frio, parece um pouco mais provável e próximo do que antes, na medida em que uma nova simulação computacional identifica um ponto de inflexão "abrupto" se aproximando no futuro.

Um cenário há muito temido, desencadeado pelo derretimento da camada de gelo da Groenlândia por causa do aquecimento global, ainda está a algumas décadas de ocorrer. Esse intervalo, porém, é bem menos do que os séculos de distância que eram projetados para um fenômeno desse tipo, como mostra novo estudo publicado na revista Science Advances nesta sexta-feira, 9.

"Estamos nos aproximando (do colapso), mas não temos certeza de quão mais perto", disse o autor principal do estudo, Rene van Westen, um cientista climático e oceanógrafo da Universidade de Utrecht, na Holanda. "Estamos caminhando em direção a um ponto de inflexão."

A pesquisa, a primeira a usar simulações complexas e incluir múltiplos fatores, utiliza uma medição chave para rastrear a força da circulação oceânica geral vital, que está desacelerando.

Um colapso da corrente - chamada Circulação Meridional do Atlântico ou AMOC - mudaria o clima mundial. Isso porque significaria o desligamento de uma das principais forças do clima e do oceano. Isso reduziria as temperaturas no noroeste da Europa entre 5ºC a 15ºC ao longo das décadas e estenderia o gelo do Ártico muito mais ao sul.

Uma transformação desse tipo também aumentaria ainda mais o calor no Hemisfério Sul, mudaria os padrões de chuva globais e perturbaria a Amazônia, conforme a pesquisa. Outros cientistas afirmam que teria potencial de causar escassez de alimentos e água em todo o mundo.

A AMOC faz parte de um complexo sistema transportador global de correntes oceânicas que movem diferentes níveis de sal e água quente ao redor do globo, em diferentes profundidades e padrões, que ajudam a regular a temperatura da Terra, absorver dióxido de carbono e impulsionar o ciclo da água, conforma a agência espacial americana, a Nasa.

Quando a AMOC se desliga, há menos troca de calor em todo o mundo. Durante milhares de anos, os oceanos da Terra dependeram de um sistema de circulação que funciona como um cinto transportador. Ele ainda está em movimento, mas desacelerando.

O motor deste cinto transportador fica na costa da Groenlândia, onde, na medida em que mais gelo derrete por causa da mudança climática, mais água doce flui para o Atlântico Norte e desacelera tudo, disse van Westen. No sistema atual, água fria mais profunda e mais fresca segue para o sul, passando pelas Américas e depois para o leste, passando pela África.

Enquanto isso, a água do oceano mais quente e mais salgada, vinda dos oceanos Pacífico e Índico, passa pela ponta sul da África, vira e contorna a Flórida e continua subindo pela Costa Leste americana até a Groenlândia.

Sensores robóticos flutuantes

Nas últimas décadas, pesquisadores têm utilizado redes de sensores robóticos flutuantes para observar o oceano em tempo real. Na medida em que esses sensores derivam com as correntes e nadam pela coluna de água, coletam informações sobre a temperatura e a salinidade do oceano e as enviam para satélites, que então transmitem as informações para cientistas ao redor do mundo.

Essas observações revelaram um estranho ponto de resfriamento na extremidade sul da Groenlândia - um dos únicos lugares do planeta onde o oceano não está ficando mais quente. Isso sugere que o AMOC não está entregando tanta água quente para o Atlântico Norte e indica que o sistema está desacelerando.

Outros estudos combinaram observações diretas com simulações computacionais para concluir que o AMOC já enfraqueceu cerca de 15% desde a década de 1950.

No novo trabalho, os pesquisadores descobriram que a quantidade de água doce movimentada na porção mais meridional do Atlântico era um bom indicador da força do sistema de retroalimentação que alimenta o AMOC.

Quando essa métrica era positiva, significava que o sistema estava se reforçando. Mas quando a equipe examinou dados do mundo real, descobriu que sua medida de transporte de água doce era negativa.

"Este valor está ficando mais negativo sob a mudança climática", disse van Westen. Quando atinge certo ponto, não é uma parada gradual, mas algo "abrupto", alerta.

A equipe holandesa simulou 2,2 mil anos de seu fluxo, adicionando o que a mudança climática causada pelo homem faz a ele. Eles encontraram, após 1.750 anos, "colapso abrupto da AMOC", mas até agora não conseguem traduzir essa linha do tempo simulada para o futuro real da Terra.

Catástrofes à vista

Quando essa calamidade climática global - retratada, de forma grosseira, no filme O Dia Depois de Amanhã - pode acontecer é "a pergunta de US$ 1 milhão, que infelizmente não podemos responder no momento", afirmou van Westen.

Para ele, é provável que esteja a um século de distância, mas o pesquisador não descarta estar vivo para ver esse problema se instalar na Terra - van Westen acabou de completar 30 anos. "Isso também depende da taxa de mudança climática que estamos induzindo como humanidade", apontou.

Estudos mostraram que a AMOC está desacelerando, mas a questão é sobre um colapso ou desligamento completo. O IPCC, grupo de centenas de cientistas que fornece atualizações regulares sobre o aquecimento global para as Nações Unidas, diz ter confiança média de que não haverá um colapso antes de 2100. Mas isso não é um consenso na comunidade científica.

Stefan Rahmstorf, chefe de Análise de Sistemas Terrestres no Instituto Potsdam para Pesquisa de Clima na Alemanha, chama a pesquisa de "grande avanço na ciência da estabilidade" do sistema de correntes oceânicas do Atlântico.

"O estudo acrescenta significativamente à crescente preocupação sobre um colapso da AMOC no futuro não tão distante", observou ele, que não está envolvido no estudo.

O cientista climático da Universidade de Exeter, no Reino Unido, Tim Lenton, também se mostrou preocupado. Segundo ele, os efeitos seriam "tão abruptos e severos que seriam quase impossíveis de se adaptar em alguns locais".

Mas na opinião de Joel Hirschi, líder de divisão no Centro Nacional de Oceanografia do Reino Unido, há preocupações mais urgentes do que essa.

"As temperaturas rapidamente crescentes que temos visto nos últimos anos, e os extremos de temperatura associados, são de maior preocupação imediata do que o desligamento da AMOC", disse Hirschi. "O aquecimento não é hipotético: já está acontecendo e impactando a sociedade agora." (COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS)

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA em www.estadao.com.br/link/estadao-define-politica-de-uso-de-ferramentas-de-inteligencia-artificial-por-seus-jornalistas-veja/.

Em outra categoria

Rafa Kalimann, atualmente no elenco da novela Família É Tudo, publicou um desabafo em seu perfil no Instagram na noite deste sábado, 25, falando sobre boatos de que supostamente teria dificuldade em decorar textos e até que atrasaria a rotina de gravações.

A atriz não identificou o alvo de suas críticas, mas chamou os rumores de "narrativas criadas por pessoas irresponsáveis que querem seus likes e engajamento", e pediu: "Respeitem a mim, ao meu processo, aos meus colegas de trabalho. Não criem mentiras em relação a eles, não merecem isso."

"De mentira em mentira, verdades são criadas, e vocês nem ficam sabendo o que é verdade e o que não é. Venho fazer esse vídeo porque envolve meu trabalho, que é o que ha de mais sagrado pra mim: entrega, disciplina... É notório até para quem não me acompanha o quanto sou dedicada", disse a atriz.

Em seguida, Rafa Kalimann destacou que o momento difícil pelo qual passa, tendo sofrido um aborto recentemente, "não foi respeitado", e agradeceu o apoio de colegas no set de filmagem.

"É inadmissível para mim que inventem qualquer mentira sobre meu trabalho, minha disciplina e as pessoas que me deram apoio nesse momento que tanto precisei", concluiu.

Quais as melhores séries de 2024 para assistir no streaming até agora? O site Rotten Tomatoes divulga frequentemente uma lista com as melhores produções do ano. Confira a seguir a lista com as 5 melhores séries lançadas neste ano.

*A primeira colocação no site pertence à série Girls5Eva (Netflix). Porém, como foi lançada em 2021, e conta apenas com uma nova temporada em 2024, não foi considerada nesta lista, que prioriza produções que fizeram sua estreia entre janeiro e maio deste ano.

1ª - Bebê Rena (Netflix)

Baseada em fatos reais, a série tem início quando o barman de um pub britânico é gentil e dá atenção a uma cliente nova e solitária chamada Marta Scott. Ele não esperava, porém, que ela se transformaria em uma stalker obsessiva que lhe envia centenas de e-mails diariamente, além de persegui-lo com ataques de ciúmes.

2.ª - Xógum - A Gloriosa Saga do Japão (Star+ e Disney+)

Produzida e protagonizada por Hiroyuki Sanada, Xógum é ambientada no Japão dos anos 1600, no início de uma guerra civil, e acompanha o Lorde Yoshii Toranaga, que precisa lutar pela vida quando seus inimigos do Conselho de Regentes se unem contra ele.

A situação fica ainda mais complexa quando um navio europeu misterioso é encontrado encalhado em um vilarejo de pescadores próximo. Trata-se da segunda adaptação do livro do autor australiano James Clavell para as telas, que já teve um filme homônimo em 1980.

3.ª - X-Men 97' (Disney+)

A série é uma continuação da animação que fez sucesso nos anos 1990, resgatando o espírito da versão anterior, seja nos traços dos personagens, nos frames por segundo da tela, na dublagem e no tempo de cada episódio (todos curtos, com 30 minutos de duração).

Em tempos de nostalgia em alta, Marvel fez bem em resgatar um queridinho dos fãs. Melhor ainda em evitar um remake e realmente desenvolver a história a partir do narrativa deixada lá atrás.

4.ª - Mary & George (Indisponível no Brasil)

Protagonizada por Julianne Moore e Nicholas Galitzine, a produção britânica foi lançada pela Sky Atlantic e posteriormente exibida pelo streaming Starz nos Estados Unidos, mas ainda não chegou ao Brasil. Os episódios são baseados no livro The King's Assassin (2017), escrito por Bejamin Woolley, que fala sobre homossexualidade e um plano secreto para matar o rei Jaime, do Reino Unido, por volta do fim do século 16.

5ª - Um Pesadelo Americano (Netflix)

Dividido em três partes, o documentário aborda a história real do fisioterapeuta Aaron Quinn e sua namorada Denise Huskins, que, em 2015, foi sequestrada por dois homens em sua casa. Aaron foi considerado suspeito de forjar o sequestro, e ambos tiveram que enfrentar a polícia local para provar que foram vítimas de um crime real.

Roque, icônico assistente de palco dos programas de Silvio Santos, no SBT, recebeu alta do hospital em que estava internado na última sexta, 24. Neste sábado, 25, sua mulher, Janilda Nogueira, publicou vídeos em que ele aparece em casa, incluindo um em que ironiza uma postagem que dizia que teria morrido.

Nele, o artista aparece e lê uma postagem que diz: "Morre, aos 87 anos, Roque, assistente de palco de Silvio Santos". Em seguida, abre um sorriso e brinca com a situação: "Eu morri! [Risos]". Em outra postagem, aparece brincando com o papagaio da família, Vicente.

Roque havia sido internado no hospital Santa Elisa, em Jundiaí, no interior de São Paulo, após um sangramento intracraniano no último sábado, 18. Na quarta, 22, recebeu alta da UTI [Unidade de Terapia Intensiva], e na sexta, 24, alta em definitivo do hospital para ir para casa.