'Compromisso Brasileiro da Filantropia sobre Mudanças Climáticas' é assinado em Dubai na COP28

Geral
Tipografia
  • Pequenina Pequena Media Grande Gigante
  • Padrão Helvetica Segoe Georgia Times
Um grupo de investidores sociais privados e de organizações da sociedade civil lança nesta quarta-feira,6, o 'Compromisso Brasileiro da Filantropia sobre Mudanças Climáticas' em Dubai, nos Emirados Árabes, onde está sendo realizada a Conferência das Nações sobre Mudanças Climáticas (COP28). O documento conta, até agora, com 24 assinaturas de organizações atuantes no segmento, mobilizadas pelo Grupo de Institutos, Fundações e Empresas (GIFE). Dentre os signatários, estão Fundação Banco do Brasil, Fundação José Luiz Egydio Setubal, Brazil Foundation, Fundo Vale, Fundação Tide Setubal, Fundação Roberto Marinho e Instituto Neoenergia.

"A adesão dos filantropos e investidores sociais brasileiros à agenda climática acompanha o movimento global do setor, com destaque para as especificidades do nosso país e do sul global", destaca o documento. "A filantropia brasileira tem a oportunidade de advogar e influenciar compromissos práticos e consistentes orientados a partir de uma nova perspectiva de desenvolvimento, cumprindo papel subsidiário, mas estratégico, para o alcance das metas nacionais. Deve atuar também como catalisadora de recursos financeiros nacionais e internacionais, apoiando o fortalecimento das capacidades de governos locais para formular, implementar e avaliar políticas e planos de ação", acrescenta.

O 'Compromisso Brasileiro da Filantropia sobre Mudanças Climáticas' é estruturado em oito eixos de ação e prevê medidas direcionadas à educação e aprendizagem sobre causas, impactos e soluções sistêmicas das alterações climáticas e as implicações para o trabalho; alocação de recursos financeiros e esforços para acelerar a mitigação das mudanças climáticas; visão sistêmica de iniciativas para um mundo com emissões líquidas zero; patrimônio, fundos e ativos financeiros para a redução dos impactos das mudanças climáticas; medidas para minimizar o impacto climático de operações desenvolvidas pelo próprio setor filantrópico; articulação, influência e advocacy para atuação articulada e colaborativa; posicionamento e identidade/singularidade para diversificar e complementar visões e abordagens na agenda climática; e aprendizado contínuo e transparência nas ações realizadas.

O documento será lançado no encontro 'Filantropias do sul global: O que está acontecendo?' - uma das atividades promovidas pelo GIFE durante a COP28. Referência nacional em fortalecimento da filantropia e representando mais de 170 instituições de origem empresarial, familiar ou independente, o GIFE participa da Conferência Mundial do Clima pelo segundo ano consecutivo, com o objetivo de aumentar o engajamento do Investimento Social Privado (ISP) no enfrentamento às mudanças climáticas.

A 'Missão GIFE na COP 28' é coordenada pelo secretário-geral da entidade, Cassio França. Este ano, a organização leva para Dubai representantes do Instituto Votorantim, Fundação Itaú, Fundo Elas+, Fundação Roberto Marinho, Fundo Positivo, Sitawi Finanças do Bem, Mattos Filho Advogados e Vetor Brasil/Instituto Gesto.

"Desde o ano passado, especialmente por ocasião da COP27, a filantropia brasileira vem assumido iniciativas mais ousadas no enfrentamento às mudanças climáticas", destaca Cassio França. O secretário-geral do GIFE observa que o Brasil é o primeiro país do sul global a fazer este movimento de mobilização por meio de um compromisso nacional da filantropia. Até agora, segundo ele, apenas países do norte se mobilizaram desta forma, como Canadá, Espanha, França, Itália e Reino Unido.

"O Investimento Social Privado pode e deve oferecer contribuições relevantes para que a justiça climática, um dos pilares de nossa atuação, seja realmente assegurada no Brasil, no sul global e em todo o mundo", diz o secretário-geral do GIFE.

O GIFE reúne parcela robusta do ISP no Brasil. Só em 2022, foram mobilizados R$ 4,8 bilhões para ações filantrópicas, por instituições associadas ao GIFE. Quando comparado a 2019, este Investimento Social Privado atingiu crescimento superior a 30%, conforme dados do novo Censo GIFE, antecipados pelo Broadcast (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado) semana passada.

Veja aqui os signatários do 'Compromisso Brasileiro da Filantropia sobre Mudanças Climáticas' (até a publicação desta matéria):

1.Fundo Positivo

2.Mattos Filho Advogados

3.Fundação Banco do Brasil

4.Instituto Sociedade, População e Natureza (ISPN)

5.Instituto Cactus

6.Instituto Neoenergia 7.Fundação Rede Amazônica

8.Co-Impact

9.Instituto Sicoob para o Desenvolvimento Sustentável

10.Fundação Roberto Marinho

11.Instituto Beja

12.Brazil Foundation

13.Instituto Galo da Manhã

14.Movimento Bem Maior

15.Sitawi Finanças do Bem

16.Instituto SLC (Grupo SLC)

17.Fundação José Luiz Egydio Setúbal

18.Instituto Comunitário Baixada Maranhense

19.Instituto Identidades do Brasil (ID_BR)

20. Fundo Vale

21.Fundação Tide Setubal 22. Instituto ACP

23.Instituto Arapyaú

24.Fundo Casa Socioambiental

Em outra categoria

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva cobrou a reabertura do Teatro Nacional de Brasília, que foi fechado em janeiro de 2014 por recomendação do Corpo de Bombeiros e do Ministério Público por descumprir exigências vigentes ao funcionamento. Na fala, ele citou que, na gestão passada, do ex-presidente Jair Bolsonaro, não havia Ministério da Cultura.

"Esse país está tão abandonado que a capital do Brasil tem um Teatro Nacional há 10 anos fechado", disse, em cerimônia de lançamento da Pedra Fundamental do Campus Sol Nascente do Instituto Federal de Brasília (IFB), na região administrativa da capital federal, nesta quinta-feira, 11. Na fala, Lula disse querer dar uma aula inaugural no instituto lançado hoje em um ano.

"Tenho cobrado não apenas do governo estadual, mas da nossa ministra da Cultura Margareth Menezes, que é preciso a gente colocar aquele teatro para funcionar", pediu. Segundo Lula, no Brasil, há a "mania de tombar as coisas; isso não pode mexer, mas a gente não coloca dinheiro para manter, então as coisas vão se deteriorando".

"Todos os prefeitos estão recebendo dinheiro para cultura, todos os governadores dos Estados estão recebendo dinheiro para cultura, ninguém vai dizer que quem gosta de cultura é maconheiro, cachaceiro, vagabundo. Cultura significa consciência política", declarou.

Em novembro do ano passado, o cantor Fagner deu uma entrevista no Podcast do Garotinho onde teceu críticas à música atual, destacando os shows cheios de efeitos tecnológicos de grandes Djs. Segundo ele, os shows seriam um "desastre ambiental".

"Uma das coisas que mais me choca é você pegar um DJ e botar 1 milhão de pessoas. Isso, pra mim, é um desequilíbrio ambiental. Caramba! É um desastre ambiental. O povo vai ver um DJ, que canta meia música e fica ali, fazendo aquelas cenas ridículas", disse.

Agora, o cantor parece ter feito as pazes com os DJs. Em foto publicada pelo Alok na última quarta-feira, Fagner aparece de mãos dadas com o produtor em um estúdio de gravação. Além disso, há o registro de um remix de Borbulhas de Amor, clássico de Fagner.

"Construindo pontes ao invés de muros", escreveu o DJ. "Vou tocar o remix do Fagner em Brasília dia 20 de abril."

Confira o encontro aqui

Inga Stumbriene, influenciadora digital popular na Lituânia, foi alvo de críticas após realizar seu chá revelação com três aviões responsáveis por lançar uma fumaça na cor azul, revelando que espera um menino.

"Não conseguíamos ver por causa da poluição, obrigada", ironizou um seguidor. "O que há de errado com as pessoas hoje em dia?", questionou outro. "Quem são esses poluidores que desperdiçam tanto para dizer a todos qual o sexo do filho?", indagou um terceiro.

Apesar das críticas, a influenciadora e o marido compartilharam inúmeros registros do momento nas redes sociais. Inga também celebrou a repercussão. "Não esperava isso quando planejei a nossa celebração familiar. Uma festa que tocou tantos corações ao redor do mundo."

Para rebater os internautas, ela explicou que um dos aviões foi pilotado por seu pai. A influenciadora restringiu os comentários em algumas de suas publicações.

Confira aqui