O governo do estado do Rio de Janeiro informou domingo (17) que o secretário estadual de Saúde, Edmar Santos, deixou o cargo ontem (18). “Edmar foi exonerado pelo governador Wilson Witzel por falhas na gestão de infraestrutura dos hospitais de campanha para atender as vítimas da Covid-19”, diz o comunicado.

Segundo a nota, Santos continuará auxiliando o estado e vai dirigir uma comissão de notáveis no enfrentamento à pandemia do coronavírus.

O novo titular da pasta será o atual diretor-geral do Hospital Universitário Gaffrée e Guinle, Fernando Ferry. Clínico-geral e especialista em aids, Fernando Ferry foi professor associado de Clínica Médica e Aids da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UniRio). Ele é graduado em medicina pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UFRJ).

O novo secretário também é graduado em Medicina Veterinária e Técnica Agropecuária pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ). Ele é doutor e mestre em Parasitologia Veterinária também pela UFRRJ.

Operações contra fraudes

Segundo a PF, empresários pagaram propinas a conselheiros do Tribunal de Contas do Estado (TCE), a deputados estaduais e a outros agentes públicos para conseguir fornecer serviço de mão de obra terceirizada para o governo do estado e órgãos estaduais, nos últimos dez anos.

De acordo com as investigações, a organização criminosa teria inclusive aproveitado a situação de calamidade ocasionada pela pandemia, que autoriza contratações emergenciais e sem licitação, para obter contratos milionários de forma ilícita com o poder público.

Policiais federais também cumpriram cinco mandados de prisão e 25 de busca e apreensão em uma investigação sobre desvios de R$ 3,95 milhões em recursos públicos na área da saúde no Rio de Janeiro.

A operação foi feita em parceria com o Ministério Público Federal (MPF) e o Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ).

Segundo o MPRJ, os valores foram repassados a uma organização social (OS) pela Secretaria de Estado de Saúde do Rio, para a administração de unidades de Pronto Atendimento (UPAs).

De acordo com as investigações, a organização social recebeu, desde 2012, pelo menos R$ 763 milhões do Fundo Estadual de Saúde do Rio de Janeiro para a gestão das UPAs.