Um mês após o início dos problemas causados pela presença de geosmina na água que distribui, a Companhia Estadual de Águas e Esgotos do Estado do Rio (Cedae) começou a enfrentar nesta segunda-feira, 3, um novo problema, desta vez com a água bruta que chega à Estação de Tratamento de Água (ETA) Guandu. Por conta disso, a captação foi interrompida, e se o problema persistir pode faltar água no Rio.

Em nota, a Cedae informou que no fim da tarde desta segunda-feira identificou, por meio de análise laboratorial, a presença de detergentes na água bruta que chega à Estação de Tratamento de Água (ETA) Guandu. A diretoria de Saneamento e Grande Produção da Cedae decidiu fechar as comportas da entrada do canal principal da estação, disse a empresa.

Segundo a Cedae, o detergente foi arrastado para o sistema pelas fortes chuvas registradas na região metropolitana do Rio desde a noite de domingo, 2.

A empresa informou que a Agência Reguladora de Energia e Saneamento Básico do Estado do Rio de Janeiro (Agenersa) e o Instituto Estadual do Ambiente (Inea) já foram informados sobre a situação, "para iniciarem os respectivos procedimentos".

Segundo a Cedae, técnicos da empresa vão monitorar permanentemente a captação de água, "até que a concentração dessa substância não represente risco à operação da estação". Ainda não se sabe quanto tempo isso vai demorar. Se a demora for grande, pode faltar água nos municípios atendidos pela Cedae.

O Sindicato dos Trabalhadores nas Empresas de Saneamento e Meio Ambiente do Rio de Janeiro e Região (Sintsama-RJ) suspeita que haja outros problemas com a água. Para a direção da entidade, apenas a presença de detergente não justificaria a paralisação da captação.