O Corinthians encaminhou nesta sexta-feira a venda de Pedrinho para o Benfica. O jogador deve se apresentar somente em julho ao clube português, que pagará 20 milhões de euros (R$ 95 milhões) e cederá o atacante Yony González por empréstimo com validade de um ano e compra fixada em 3 milhões de euros (R$ 14 milhões). O colombiano, ex-Fluminense, deve chegar ao time paulista ainda em fevereiro.

O total do acordo é menos da metade do valor da multa rescisória do meia-atacante, que é de 50 milhões de euros. Mas é um pouco maior do que a proposta inicial do Benfica, que era de 15 milhões de euros (R$ 71 milhões). Para fechar o negócio, o presidente do Corinthians, Andrés Sanchez, viajou a Lisboa e se reuniu nos últimos dias com os dirigentes do clube português. Agora acompanha o desfecho do negócio na Espanha.

A proposta foi também melhor que a do Borussia Dortmund, que está de olho no atacante desde o ano passado. A equipe alemã pretendia pagar 15 milhões de euros (R$ 71 milhões) por Pedrinho. O Corinthians tem 70% dos direitos econômicos do atacante e foi quem cuidou dos valores na negociação.

A saída no meio do ano, no entanto, atende ao pedido do jogador. O empresário de Pedrinho, Will Dantas, disse que era vontade do atleta vestir a camisa 10 do Corinthians no primeiro semestre e disputar a Copa Libertadores. O time disputa a segunda fase preliminar e precisará passar por uma terceira para chegar à fase de grupos da competição sul-americana.

Pedrinho ainda não estreou pelo time alvinegro na temporada, pois está com a seleção brasileira sub-23 na disputa do Pré-Olímpico que está acontecendo na Colômbia. O time nacional encerra nesta sexta-feira, às 22h30 (de Brasília), diante do Paraguai, a sua participação na primeira fase do torneio - a equipe já está garantida no quadrangular final que garantirá aos dois melhores colocados uma vaga para os Jogos de Tóquio-2020.