A seleção do Equador tem um novo técnico. Na noite de segunda-feira, em um grande evento realizado na Casa da Seleção, em Quito, o holandês Jordy Cruyff, filho do lendário Johan Cruyff, foi apresentado depois de assinar um contrato de três anos e comandará um projeto de renovação planejado pela federação do país. Até o presidente do Equador, Lenín Moreno, esteve presente na cerimônia.

O presidente da Federação Equatoriana de Futebol (FEF, na sigla em espanhol), Francisco Egas, disse que a contratação de Jordi Cruyff faz parte de um plano para reformar todas as divisões e seleções do futebol nacional. "Temos muito que melhorar na construção do talento e aproximar os torcedores da nossa seleção. Uma transformação para dar sustentação a todos os aspectos que podem fortalecer nosso futebol", afirmou.

A escolha por Jordi Cruyff, segundo Egas, tem como objetivo não só obter mais resultados, mas também estabelecer um "processo formativo" de novos jogadores do país. O holandês disse estar muito satisfeito em fazer parte do projeto no qual terá como primeiros desafios a Copa América de 2020, na Argentina e na Colômbia, e a classificação para a Copa do Mundo de 2022, no Catar.

"Estou muito entusiasmado com esse novo desafio e agradeço à federação, em especial ao presidente e ao diretor esportivo, Antonio Cordón, pela confiança depositada em mim e na minha comissão técnica", afirmou o novo treinador do Equador.

A estreia de Jordi Cruyff no banco do Equador já está marcada. O primeiro jogo do holandês ocorre no próximo dia 26 de março contra a Argentina, em Buenos Aires, válido pelas Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2022.

"Nosso objetivo é melhorar, ajudar. É um trabalho de todos juntos, porque juntos somos mais fortes. De nossa parte, vocês vão encontrar dedicação plena para fazer os torcedores sentirem orgulho de sua seleção", afirmou o técnico.

Antes de confirmar a contratação de Cruyff, outros nomes de peso foram sondados pelo Equador. Entre os cotados para assumir o cargo estavam o alemão Jürgen Klinsmann, os argentinos José Pekerman e Jorge Sampaoli, os espanhóis Fernando Hierro e Robert Moreno e o chileno Manuel Pellegrini.

Em sua carreira como treinador, o holandês ficou seis anos no Maccabi Tel Aviv, sendo os cinco primeiros como responsável pela direção esportiva do clube e o último como técnico de Israel. No período, ele conquistou três vezes o Campeonato Israelense e duas Copas do Estado de Israel.