O setor de máquinas e equipamentos teve queda de 12,4% na receita líquida do mês de junho, na comparação com o mesmo mês do ano passado. Em maio, a redução foi de 14,1% e, em abril, foi de 25,6%. Com isso, o segundo trimestre do ano encolheu 17,4% na comparação com o mesmo período do ano anterior. No acumulado de janeiro a junho, o faturamento do setor encolheu 8,5%.

Apesar da redução em junho, a Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq) ressalta que os últimos resultados têm apontado para uma queda menos brusca da receita, com apoio no faturamento de vendas no mercado interno.

“Ainda que a receita total nos últimos três meses tenha retraído, esses resultados têm sido menos negativos a cada mês por conta das receitas internas. Em junho, as receitas internas encolheram 10,1% na comparação interanual, queda menos densa que a observada em maio (14,9%) e abril (26,5%)”, divulgou a entidade.

A sequência desses resultados negativos acarretou na queda de 17% das receitas internas no segundo trimestre, neutralizando o avanço de 2,6% nos primeiros três meses do ano. Com isso, as receitas de vendas no mercado doméstico acumulam queda de 7,8% até junho 2020.

Exportação

Já as receitas de exportação do setor de máquinas e equipamentos apresentaram forte queda pelo quarto mês consecutivo. Em junho, as exportações em dólar caíram 35,1% na comparação com o mesmo mês do ano passado, após queda de 34,7% em maio e de 41,6% em abril.

Segundo a entidade, o setor já apresentava dificuldades na competição externa mesmo antes da pandemia: as exportações encolheram 37,3% no segundo trimestre e 12,8% no primeiro trimestre. No acumulado de janeiro a junho, a exportação caiu 25,4%.