O presidente do BNDES, Gustavo Montezano, afirmou ontem, 16, que as devoluções de recursos do banco ao Tesouro estão suspensas até o fim deste ano, durante o período de crise provocada pelo novo coronavírus. Segundo ele, este ano o BNDES somente devolveu R$ 20 bilhões ao caixa do PIS/Pasep, para apoiar a liberação de recursos do fundo. Outras devoluções estão descartadas em função da pandemia.

Na prática, com isso o BNDES mantém recursos que poderão ser utilizados em operações de crédito neste período de crise. Montezano também criticou, durante audiência pública virtual com o Congresso Nacional, a política adotada pelo BNDES em governo anteriores, de apoio preferencial a grandes empresas. “No auge do subsídio (do Tesouro) que o BNDES recebia, o Estado gastava R$ 30 bilhões ou R$ 40 bilhões para apoiar as grandes empresas”, afirmou.

O presidente do BNDES indicou que, atualmente, o BNDES adota política que não favorece setores ou empresas específicas. “Neste momento de crise, tivemos o cuidado extremo de tratar todas as companhias aéreas de forma igual”, exemplificou. Montezano também fez uma defesa dos programas, lançados pelo governo, para apoiar o crédito voltado para micro, pequenas e médias empresas. “O governo colocou R$ 71 bilhões para o crédito chegar a micro e pequenas empresas”, citou.

Ele se referiu aos aportes do Tesouro no Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe), no valor de R$ 16 bilhões, ao Programa Emergencial de Suporte a Empregos (Pese), de R$ 20 bilhões, e ao Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda, com valor de R$ 34 bilhões. “São necessários alguns ajustes ao Pese, para flexibilizar acesso”, reconheceu Montezano.