O crescimento da atividade fabril na China desacelerou ao nível mais baixo em cinco meses em janeiro, de acordo com um medidor privado, pressionado por demanda subjugada no exterior do país.

O índice de gerentes de compras (PMI) industrial da Caixin Media, medido em parceria com a Markit, caiu de 51,5 em dezembro para 51,1 em janeiro, informaram as empresas nesta segunda-feira. A leitura permaneceu acima da marca de 50, que separa a expansão da atividade de uma contração.

As companhias que participaram do levantamento da Caixin relataram aumentos mais lentos de novas encomendas e da produção em janeiro, enquanto as suas folhas de pagamento caíram pela primeira vez desde outubro.

O subíndice de novas encomendas de exportação caiu a território de contração, encerrando três meses consecutivos de expansão.

Mas a confiança na perspectiva para a produção no ano que vem foi turbinada por um alívio das tensões comerciais entre os Estados Unidos e a China, disse a Caixin.

A Caixin não esclareceu se o seu levantamento refletia o impacto do surto de coronavírus na China. Ela disse que a economia chinesa será pressionada pela epidemia e que o governo terá de implementar medidas contracíclicas para apoiar o crescimento.