A Taurus Armas informou que tomou conhecimento do resultado do processo julgado na quinta-feira, 30, pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM), referente a ex-administradores da empresa, e que o caso não envolve nenhum dos atuais membros do seu conselho de administração e da diretoria estatutária.

Na quinta, a CVM aplicou penas de inabilitação temporária a um grupo de sete ex-administradores e membros do conselho fiscal da Taurus Armas, por participarem de fraude na venda de sua controlada SM Metalurgia (SML) à Renill Participações, em 2012.

A SML reunia os ativos do grupo no segmento de máquinas e foi vendida após enfrentar dificuldades financeiras.

"Esse processo trata de problemas associados à venda de sociedade controlada e à divulgação dessa operação nas demonstrações financeiras relativas aos períodos encerrados em 30.06.2012, 30.09.2012 e 31.12.2012", ressalta a empresa em comunicado ao mercado.

A fabricante de armas afirma ainda que continuará acompanhando o processo administrativo e aguarda da CVM as possíveis providências que deverão ser adotadas.

Segundo o grupo, desde 2015, quando ocorreu a mudança do controle acionário, vem seguindo os mais rígidos e estritos padrões de controle e compliance.