A presidenta Dilma Rousseff afirma que o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) deve aplicar multas que totalizam R$ 250 milhões à empresa responsável pelas barragens Fundão e Santarém, que se romperam há uma semana - a Samarco.

No total, o Ibama deve aplicar cinco multas, cada uma de R$ 50 milhões, pelo lançamento de rejeitos em rios próximos - em decorrência do rompimento das barragens e em razão dos prejuízos causados à biodiversidade.

Segundo a presidente do Ibama - Marilene Ramos, o instituto continua analisando a situação ambiental da área atingida pelo desastre e informa que o rompimento das barragens lançou 50 milhões de metros cúbicos de rejeitos em áreas vizinhas.

Além disso, a presidente informa que, nos testes realizados até o momento, foram verificadas alterações nos padrões de qualidade da água em rios próximos, inclusive no Rio Doce e justifica que as alterações de qualidade não significam, porém, a presença de substância tóxica na água.

O Corpo de Bombeiros informa que, até o momento, seis mortes foram confirmadas em razão do rompimento das barragens e outros dois corpos já foram encontrados e aguardam identificação.