A Defensoria Pública de São Paulo obtém, uma decisão liminar que obriga a Prefeitura de Itaquaquecetuba a fornecer um medicamento prescrito pelo médico a uma paciente idosa que sofre de diabetes e que, desde outubro, vinha tentando obter o remédio diretamente nas Secretarias Municipal e Estadual de Saúde e não obteve resposta aos pedidos feitos.

Dessa forma, a Defensora Pública - Cláudia Manning, ingressou com uma ação judicial e apontou que "o uso do medicamento é necessário para que ela possa cumprir com suas atividades diárias, tendo em vista que a sua falta pode causar danos irreversíveis à saúde da paciente, impossibilitando-a de realizar as mais simples das atividades do dia-a-dia".

Na ação, de acordo com um novo relatório médico, a Defensora Pública aponta que a ausência no fornecimento do medicamento faz a situação de saúde da idosa se agravar e, além disso, a paciente "não pode permanecer por mais tempo sem o medicamento".

Na decisão liminar, o Juiz Fernando Luiz Batalha Navajas, do Juizado Especial Cível e Criminal de Itaquaquecetuba, analisou a necessidade do fornecimento do remédio e determinou que ele seja fornecido em até 48 horas.