O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, arrecadou mais de US$ 100 milhões para a sua campanha à reeleição em 2020, uma quantia sem precedentes para um governante americano nesta época do primeiro mandato, quando ainda faltam mais de dois anos para as eleições.

Segundo a imprensa norte-americana, a campanha para a reeleição e seus comitês filiados reuniram pelo menos US$ 106 milhões no último ano e meio, a julgar pelos dados sobre o terceiro trimestre apresentados ontem à noite pela equipe de campanha do presidente à Comissão Federal Eleitoral (FEC).

Entre julho e setembro, Trump arrecadou US$ 18 milhões, um dos avanços mais notáveis desde que passou a somar verbas para a campanha, em janeiro de 2017, logo após chegar ao poder.

Entusiasmo da base de eleitores

Mais da metade do valor arrecadado pela campanha e seus comitês filiados nesse trimestre procedia de doadores individuais que deram menos de US$ 200 cada, algo que pode ser interpretado como um sinal de entusiasmo da base de eleitores.

Enquanto o antecessor de Trump na presidência, Barack Obama, só começou a arrecadar fundos para a reeleição no terceiro ano do primeiro mandato, o atual governante apresentou os documentos necessários para concorrer novamente no mesmo dia em que chegou ao poder e se envolveu no financiamento dessa campanha desde meados de 2017.

As medidas lhe proporcionaram uma vantagem considerável em relação a seus potenciais rivais do Partido Democrata para 2020, entre eles o ex-vice-presidente Joe Biden e a senadora Elizabeth Warren, que estão começando agora a arrecadar as primeiras doações e a viajar pelo país.

Em fevereiro, Trump nomeou um chefe para sua campanha, Brad Parscale.