O técnico Oswaldo de Oliveira, do Fluminense, concedeu entrevista coletiva nesta terça-feira, no CT Pedro Antonio, no Rio, onde conversou sobre uma série de assuntos com os jornalistas presentes. Um deles foi a definição do time titular que enfrentará o Goiás, neste domingo, às 19 horas, no estádio Serra Dourada, em Goiânia. Ao abordar o confronto, o treinador evitou fazer qualquer mistério e já confirmou a formação titular que mandará a campo nesta partida válida pela 20ª rodada do Brasileirão.

O comandante disse que vai manter o Yony González no ataque titular, apesar da indefinição do futuro do jogador. A sua permanência na equipe ficou em dúvida depois que o vice-presidente geral do Flu, Celso Barros, revelou certo desinteresse do atleta colombiano em renovar o seu contrato com o clube, que vencerá no final deste ano.

Oswaldo também adiantou que Frazan ocupará o lugar do suspenso Nino e, para completar, avisou que o atacante Wellington Nem está fora do jogo em Goiânia por causa de dores na coxa esquerda. "O Frazan é um jogador em quem tenho toda confiança. É ele quem substitui o Nino", garantiu.

Ao falar de Yony, ele disse que o mais importante é pensar no presente e no que o jogador pode fazer hoje pelo clube, independentemente de o mesmo não permanecer no Fluminense para 2020. "A próxima temporada depende do que fizermos nessa. E nessa o Yony é importante para nós. E quero contar com ele até o final, isso independe do que vai acontecer depois", ressaltou.

Já ao abordar a situação de Wellington Nem, Oswaldo informou que o jogador sequer irá viajar até a capital goiana com a delegação do Flu, neste sábado. "Ele está em recuperação. Decidimos prepará-lo melhor para o jogo contra o Santos, na próxima quinta-feira", revelou, se referindo ao confronto válido pela 21ª rodada do Brasileirão, no Maracanã.

CONVOCAÇÕES CRITICADAS - Oswaldo também não escondeu a sua insatisfação com o fato de que o técnico André Jardine convocou nesta sexta-feira o lateral Caio Henrique e o meio-campista Allan para defender a seleção brasileira olímpica nos amistosos contra Venezuela e Japão, nos dias 10 e 14 de outubro, em Recife, e consequentemente deixou os dois atletas fora de duas rodadas do Brasileirão neste período.

"A essência do nosso futebol é a seleção brasileira. É uma honra para qualquer jogador participar disso. Mas, como se trata de partidas amistosas, a situação que o Fluminense se encontra no Brasileirão poderia ter sido melhor avaliada. São dois jogadores importantíssimos, nesse momento insubstituíveis para nós. Vão perder dois jogos muito importantes para jogar amistosos. Admito a importância da seleção, do planejamento, dos nossos jogadores irem, mas os jogos contra o Cruzeiro, fora, e o Bahia, em casa, são muito importantes para nós", reclamou o treinador.

"Sei que não é só o Fluminense que está cedendo jogadores, mas pela nossa situação fica uma coisa muito unilateral. Uma convocação dessas, no momento em que vamos perder os jogadores, hoje eu não consigo medir. Não tenho noção exata do que pode acontecer. Estamos procurando substitutos no nosso elenco, mas, pela situação que nós estamos, acho que vai ser muito danoso para o Fluminense e não tão danoso para outros adversários", completou.