Após oito dias de greve, o Figueirense voltou aos treinos na manhã desta sexta-feira, em preparação para o duelo diante do CRB neste sábado, às 19h, no estádio Orlando Scarpelli, pela 18ª rodada da Série B do Campeonato Brasileiro. O trabalho foi realizado sob protesto por parte da torcida contra os dirigentes do clube, em especial ao presidente Cláudio Honigman, responsável pela gestora Elephant.

O fim da greve foi anunciado na noite desta quinta-feira, por meio de uma nota oficial. Apesar das inúmeras exigências não cumpridas, os jogadores, por meio do advogado Filipe Rino, afirmaram que voltariam a treinar pelo respeito à agremiação e aos torcedores da equipe catarinense.

Pela atitude, os jogadores tiveram os nomes gritados pelos mesmos torcedores que criticaram a diretoria. Membros da principal organizada do time, inclusive, estiveram reunidos com os integrantes dos conselhos do clube, Luiz Fernando Philippi, Luiz Ângelo Sombrio, Francisco de Assis Filho e Roberto Costa. A conversa teve a supervisão da Polícia Militar, mas não houve qualquer problema.

Os jogadores ainda participaram de uma longa reunião com membros da diretoria do Figueirense, sob o comando de Antônio Lopes. Os atletas fizeram um leve rachão e treinaram cobranças de pênalti.

Durante a atividade, o técnico Vinícius Eutrópio indicou os titulares que entrarão em campo frente ao CRB. A exceção fica por conta do volante Betinho. Ele deixou o treino chorando e pode ser substituído por Jean. O clube informou que o atleta se sentiu mal e, por isso, foi para o vestiário.

Sendo assim, o provável Figueirense para sábado tem: Elisson; Victor Guilherme, Alemão, Ruan Renato e Roberto; Zé Antônio, Jean e Tony; Fellipe Mateus, Willian Popp e Rafael Marques

Já os recém-contratados treinaram em separado do grupo principal. São eles: Everton Santos, Léo Costa, Chrystian, Raphael Soares Demethryus, Danilo Boza e Walber.

Há oito jogos sem vencer, o Figueirense ocupa a 13ª colocação, com 20 pontos, a dois da zona de rebaixamento. Na rodada passada, a equipe catarinense foi derrotada pelo Cuiabá por W.O. - na prática, o resultado foi um revés por 3 a 0. Se voltar a abandonar uma partida, possibilidade cogitada pelo elenco até a tarde de quinta-feira, o clube corre o risco de ser rebaixado para a Série C.