O desconforto do investidor com questões do cenário doméstico fizeram o Índice Bovespa se descolar da influência positiva das bolsas americanas nesta segunda-feira, registrando queda de 1,27%, aos 96.429,60 pontos - menor pontuação desde 5 de junho (95.998 pontos). Os sinais de estresse começaram no final da manhã e ganharam maior fôlego à tarde, com rumores envolvendo o banco BTG que levaram as units da instituição a quedas expressivas, contaminando outros papéis do setor financeiro e a bolsa como um todo.

"Apesar da alta das bolsas de Nova York, a aversão ao risco no mercado internacional não se dissipou, o que levou o dólar a subir ante uma série de moedas, incluindo o real. Nesse ambiente de incertezas, o investidor tradicional se retrai à espera de fatos novos que possam amenizar o imbróglio dos últimos dias", disse Ariovaldo Ferreira, gerente da mesa de renda variável da H.Commcor.

Para ele, um dos temores é de que as recentes polêmicas de alguma maneira atrasem o andamento dos trabalhos no Congresso, tidos como essenciais para a recuperação da economia. "Desde o pico do Ibovespa, em 11 de julho, já se foram quase 10 mil pontos. O mercado volta a ficar atrativo, até mesmo pela valorização do dólar nesse período, mas o investidor estrangeiro prefere aguardar", disse.

Pela manhã, o Ibovespa chegou a subir 0,79%, registrando máxima aos 98.435,96 pontos, até então minimizando o mal-estar com os fatos dos últimos dias, que envolveram desde as queimadas na Amazônia, as trocas de farpas do presidente Jair Bolsonaro e seu colega francês, Emmanuel Macron, até o atraso na entrega do relatório da reforma da Previdência no Senado. No dia, estiveram no foco as novas revisões para baixo das projeções para o PIB e a pesquisa CNT/MDA que constatou aumento de 28,2% para 53,7% da taxa de reprovação do governo.

À tarde foi a vez dos rumores que envolviam o BTG Pactual no âmbito de investigações conduzidas pela operação Lava Jato, sobre suposto esquema de propinas. Com o estresse envolvendo as units, que entraram em leilão por duas vezes, o banco divulgou comunicado ao mercado negando irregularidades e classificou as informações de "fantasiosas". As units terminaram o dia com queda de 18,65%. Na mínima, sob o efeito do BTG, o Ibovespa caiu aos 95.960,74 pontos (-1,75%).

Na análise por índices setoriais, a maior queda ficou com o grupo de ações do setor imobiliário (-2,70%), em um movimento atribuído à realização de lucros recentes. Já o índice de energia elétrica recuou 0,55% e teve o desempenho menos negativo, dado o perfil defensivo dos papéis desse setor. Com as quedas das commodities no mercado internacional, Petrobras ON e PN caíram 1,31% e 1,32%, enquanto Vale ON perdeu 1,11%.