O secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, afirmou nesta sexta-feira, 12, que a economia com a reforma nas regras de aposentadoria e pensão do País deve ficar em torno de R$ 900 bilhões em dez anos.

Segundo ele, trata-se ainda de uma estimativa e a equipe econômica trabalhará nos próximos dias para refinar esses cálculos.

A projeção considera que a redução na economia com o abrandamento das regras para homens, mulheres, professores e policiais ficou entre R$ 50 e R$ 70 bilhões.

Conforme mostrou o jornal O Estado de S. Paulo, essa já era a estimativa feita de maneira informal por integrantes do Ministério da Economia que acompanhavam a votação na Câmara na quinta-feira, 11.

O valor fica abaixo da meta de economia de R$ 1 trilhão estipulada inicialmente pelo ministro da Economia, Paulo Guedes.

Marinho, porém, afirmou que a aprovação da medida provisória 871, para combater fraudes no INSS e que foi convertida na Lei 13.846, fará com que a União ganhe "pouco mais de R$ 200 bilhões" nos próximos dez anos a partir de 2020.

"Entre a PEC da Previdência e a MP 871, teremos impacto fiscal de R$ 1,1 trilhão aproximadamente", afirmou o secretário.