O presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Antonio Megale, afirmou nesta quinta-feira, 6, que, nos primeiros contatos que teve com o futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, foi garantido que, mesmo com o fim do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC), que vai virar uma secretaria no novo governo, a interlocução com a indústria será mantida e ampliada.

"O MDIC sendo ministério ou secretaria, o importante é que o governo cuide de questões ligadas à indústria. Não adianta ter ministério só por ter. Nos primeiros contatos com o governo eleito, foi assegurada a interlocução e a intenção é que ela seja ampliada, com medidas que façam a indústria avançar, tirando obrigações e facilitando os negócios", disse Megale, em coletiva de imprensa que apresentou os números do setor em novembro.

O presidente da Anfavea também disse que a linha liberal do novo governo também não é uma preocupação, porque foi prometido aos industriais que a abertura comercial será gradual e feita à medida que houver ganhos de competitividade do Brasil no mercado internacional.

"Temos que pensar no que queremos, se queremos fazer parte de um mercado de 3 milhões de veículos o tamanho do mercado brasileiro ou de forma integrada em um mercado de 90 milhões de veículos tamanho do mercado mundial. O que não pode é fazer uma abertura de uma vez. Tem de ser gradual e acompanhada de um programa de melhoria da competitividade", disse Megale.