A alta nos preços dos alimentos pressionou a inflação ao consumidor medida pelo Índice Geral de Preços - Disponibilidade Interna (IGP-DI) em outubro, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV) nesta quarta-feira, 7. O Índice de Preços ao Consumidor (IPC-DI) teve um avanço de 0,48% no último mês, após uma alta de 0,45% em setembro.

Duas das oito classes de despesa registraram taxas de variação mais elevadas. A principal contribuição para o avanço do IPC-DI partiu do grupo Alimentação, que saiu de alta de 0,16% em setembro para avanço de 0,86% em outubro, sob influência de itens como hortaliças e legumes, que passou de -4,09% para 19,92% no período.

Também apresentou acréscimo o grupo Saúde e Cuidados Pessoais (de 0,30% para 0,51%), puxado pelo item artigos de higiene e cuidado pessoal (de -0,04% para 0,98%).

Na direção oposta, as taxas foram mais baixas nos grupos Habitação (de 0,36% para -0,06%), Transportes (de 1,09% para 0,82%), Educação, Leitura e Recreação (de 0,59% para 0,48%), Despesas Diversas (de 0,18% para 0,05%), Vestuário (de 0,63% para 0,56%) e Comunicação (de 0,18% para 0,17%).

Os destaques foram os itens tarifa de eletricidade residencial (de 0,64% para -0,90%), gasolina (de 4,08% para 1,93%), passeios e férias (de 3,81% para 2,16%), alimentos para animais domésticos (de 1,85% para 0,03%), blusa feminina (de 1,33% para 0,45%) e pacotes de telefonia fixa e internet (de 0,75% para 0,51%).

O núcleo do IPC-DI registrou alta de 0,36% em outubro ante avanço de 0,37% em setembro. Dos 85 itens componentes do IPC, 39 foram excluídos do cálculo do núcleo. O índice de difusão, que mede a proporção de itens com aumentos de preços, foi de 66,57% em outubro, 4,14 pontos porcentuais acima do resultado de 62,43% registrado em setembro.

Materiais e mão de obra

Os aumentos nos custos da mão de obra e dos materiais da construção em outubro aceleraram a inflação do setor dentro do IGP-DI. O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC-DI) subiu 0,35% em outubro, após uma alta de 0,23% em setembro.

O índice relativo a Materiais, Equipamentos e Serviços teve elevação de 0,57% em outubro, ante um avanço de 0,44% em setembro. Já o índice que representa o custo da Mão de Obra aumentou 0,16% em outubro, após ter crescido 0,06% em setembro.